0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 22/12/2018 11:51

De acordo com a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), na segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa, foram imunizados 99,07% do rebanho, bem acima da meta preconizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que é de 90%.

No total, 3.667.199 animais receberam a dose da vacina nesta fase. A campanha foi realizada entre os dias 1º e 30 de novembro. Do total de 8.434.473 bovídeos (bovinos e bubalinos) existentes em todo o Estado, apenas 3.701.609 estavam em idade vacinal prevista. 

Nesta segunda fase, a vacinação é parcial, com foco somente nos animais com até 24 meses de idade, declarados em maio. “Os pecuaristas sempre demonstraram compromisso com a sanidade do rebanho, e desta vez não foi diferente. Precisamos manter esse ritmo reforçando a credibilidade conquistada para garantirmos o status sanitário livre com vacinação, até que seja autorizada a remoção da vacinação, prevista para ocorrer a partir de 2021”, disse o presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha.

Nesta segunda fase, a vacinação é parcial, com foco somente nos animais com até 24 meses de idade, declarados em maio. Foto: Delfino Miranda/ Governo do Tocantins.

Municípios com mais rebanho

Na lista, cincos municípios que detêm a maior concentração de bovinos estão localizados em diferentes regiões do Estado: Araguaçu, no sudoeste com 363.085; Formoso do Araguaia, também no sudoeste com 245.050; Araguaína, no norte com 242.090; Peixe, no sul com 192.838 e Arraias no sudeste com 190.701. Os dados mostram ainda que 15 municípios, dos 139 existentes, atingiram 100% da vacinação dos animais. “Faremos um levantamento para localizarmos os produtores omissos, eles serão notificados a adquirir a vacina e a agendar a ação, para que os nossos técnicos acompanhem. Além disso, serão multados e receberão as sanções previstas na legislação”, afirma o responsável técnico pelo Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa, João Eduardo Pires. 

A multa para quem deixou de vacinar é R$ 5,32 por animal e R$ 127,69 por propriedade não declarada. 

Retirada da vacinação em 2021

Até que sejam cumpridas as medidas previstas no Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PNEFA), as campanhas seguem normalmente. Segundo o Ministério da Agricultura, a partir de maio do próximo ano, Acre e Rondônia, além de municípios do Amazonas e de Mato Grosso, começarão a abolir a vacinação. A previsão é de que, até maio de 2021, o Tocantins, assim como todo o país deixe de vacinar o rebanho e, até maio de 2023, o país inteiro poderá ser reconhecido pela Organização Mundial de Sanidade Animal (OIE, sigla em inglês) como livre da aftosa sem vacinação.

Post Anterior

Natal: PRF intensifica fiscalização nas rodovias federais que cortam o Tocantins com radares móveis

Próximo Post

"Cem por Cento": documentário registra mais de 70 anos de tradicional colégio portuense - áudio, vídeo e fotos