0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 31/07/2020 15:05

A Secretaria da Saúde do Tocantins (SES), por meio da Central Estadual de Transplante do Tocantins (CET), a Central Nacional de Transplante (CET) e a equipe do Hospital Municipal de Araguaína (HMA) realizaram, na madrugada desta sexta-feira, 31, a primeira captação cardíaca no Estado.

Uma criança de três anos teve morte encefálica e a família autorizou a doação dos órgãos, sendo captados o coração e as córneas. Como o Tocantins ainda não possui serviço de captação cardíaca, a Central Estadual acionou uma equipe de outro estado que veio para realizar o procedimento. As córneas foram captadas pelo Banco de Olhos do Tocantins (Boto).

“A CET Tocantins organizou toda logística para que o desejo da família fosse atendido, juntamente com o Hospital Municipal de Araguaína, e tudo ocorreu dentro do esperado. Sabemos que esta doação de órgão vai beneficiar outras vidas e isso nos enche de orgulho e satisfação. Vale salientar que esta captação foi possível graças à autorização da família. É preciso que a sociedade entenda a importância do ato de doar”, salienta a coordenadora da Central Estadual de Transplante do Tocantins, Suziane Crateús.

Captação foi realizada em Araguaína; além do coração, foram captadas as córneas que beneficiarão outras vidas. Foto: Saúde/Governo do Tocantins.

A coordenadora também explica que, caso a pessoa queira ser doadora, não é preciso deixar nada por escrito e sim comunicar à família, pois somente os parentes (de até segundo grau) podem autorizar a doação.

O Tocantins já realiza o transplante de córneas desde 2016, com um total de 174 procedimentos. Agora, trabalha para a implantação do transplante renal.

Que tipo de órgãos podem ser doados?

Coração: o transplante só pode ser realizado por meio de um doador falecido, com morte encefálica constatada.

Válvulas cardíacas: esse tipo de transplante é indicado para pessoas com doenças da válvula do coração.

Fígado: é um órgão que tem a capacidade de regenerar-se, por isso, o doador pode doar parte de seu fígado, em vida. Esse tipo de transplante é realizado principalmente em casos de cirrose hepática.

Ossos: Os ossos doados podem ser mantidos em um banco por um longo período.

Medula óssea: é responsável por produzir componentes do sangue e é usada para a cura de doenças que afetam as células do sangue, como a leucemia.

Rim: os rins podem ser doados tanto em vida quanto após o falecimento. A doação do rim geralmente é feita para pessoas com hipertensão, diabetes, insuficiência renal crônica, entre outras doenças renais.

Pâncreas: O transplante é feito em pessoas com diabetes e sérios problemas renais.

Córneas: o transplante só pode ser feito a partir de doadores falecidos, com idade entre 2 e 80 anos. Ceratocone e distrofia do endotélio são algumas das doenças graves que podem afetar a córnea, parte do olho que controla a passagem de luz para a retina.

Pele: O transplante de pele é recomendado no caso de pessoa que tenha sofrido extensas queimaduras ou doenças dermatológicas graves.

Pulmão: Em situações especiais, uma parte do pulmão pode vir de um doador vivo e são necessários dois doadores para um receptor.

Post Anterior

Prefeita de Palmas veta Lei da Câmara que eleva despesas com pessoal

Próximo Post

Governo do Estado regulariza capacidade de testagem para Covid-19 e vai oferecer mais 100 leitos para tratamento da doença

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *