0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 12/07/2019 17:29

A produção artesanal do Brasil pode ser confirmada como força da economia criativa graças ao sucesso de eventos como a Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte), considerada a maior feira de artesanato da América Latina, e cuja 20ª edição chega ao fim neste domingo, 14. O evento, que acontece no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda (PE), conta com a participação de artesãos individuais e representantes de entidades tocantinenses.

Segundo o coordenador nacional do Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), Fabrício Magalhães, com base em levantamentos diários, o balanço final de peças comercializadas deverá ser bem superior aos números do ano passado. Mas este não é o único foco do PAB, que atua no apoio a feiras e eventos para comercialização da produção artesanal.

“Antes, pensava-se somente na venda, mas com a implantação do laboratório técnico em parceria com a Colômbia, o Governo Federal passou a investir na qualidade dos produtos como valor agregado”, relata, informando que projeto piloto foi implantado neste ano, no Amazonas, Ceará e Espírito Santo, sendo proposta levar para outros estados, incluindo o Tocantins, a partir do próximo ano.

Tocantins na Fenearte

Por meio da Gerência de Fomento e Promoção da Cultura da Agência de Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), em parceria com o Sebrae/TO, o Estado participa da Feira com exposição e venda de peças em capim dourado, fibras, madeira, jatobá, bucha vegetal, sementes e artesanato indígena.

Foram selecionados, via edital, os artesãos Antônio Marinho de Abreu (Ananás), Durvalina Ribeiro de Sousa (Palmas), Guilherme Antônio dos Santos (Porto Nacional), Josias de Souza Menezes (Gurupi) e Raquel Pinheiro da Silva (Ponte Alta), além da Associação dos Artesãos do Capim Dourado Pontealtense (Ponte Alta) e a Associação Dianopolina de Artesãos (Dianópolis).

“Estamos muito satisfeitos com o movimento e a comercialização das peças”, comemora Guilherme Antônio, cujas peças feitas com bucha, madeira, semente, capim e ferro já são vendidas diretamente para várias lojas do Brasil e exportadas para 16 países, graças a participação em eventos como a Fenearte, que tornaram a originalidade de seu trabalho conhecida.

 

Post Anterior

Pequenos negócios têm até segunda para retornar ao Simples Nacional

Próximo Post

Parque Estadual do Cantão completa seu 21º ano de criação

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *