0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 26/04/2019 08:43

A Prefeitura de Natividade, a 200 km de Palmas, no sudeste do Tocantins, enviou nota ao Portal Orla Notícias, nesta sexta-feira, 26, em resposta à reportagem publicada sobre o protesto dos moradores, que deixou ruas da cidade cheias de árvores frutíferas plantadas nos buracos do asfalto, nessa quinta-feira, 25. 

Você no Orla: moradores de Natividade plantam pés de banana e mamão em ruas esburacadas – veja fotos

A gestão disse que “está com tudo pronto para iniciar a operação tapa-buracos, mas aguardar o cessar das chuvas para evitar desperdício de material. “Os buracos estão cheios de água ou bastantes úmidos, isso, sem contar que a previsão ainda é de chuva para os próximos dias”, diz a nota.

Já sobre as ruas ainda não pavimentadas, o município negou que tenha suspendido o patrolamento e “que já está em fase de início a obra de pavimentação asfáltica que foi prometida, mas não concluída”.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em relação a matéria postada no respeitado veículo de comunicação Orla Notícias, a Prefeitura de Natividade esclarece que está com tudo pronto para iniciar a operação “tapa buracos”, e só está aguardando o cessar das chuvas ou do contrário será um serviço desperdiçado uma vez que os buracos estão cheio de água ou bastantes úmidos, isso, sem contar que a previsão ainda é de chuva para os próximos dias.

Em relação às ruas sem asfalto, a gestão esclarece que a informação do não patrolamento, não procede e que já está em fase de início a obra de pavimentação asfáltica que foi prometida, mas não concluída.

A gestão também faz questão de frisar a facilidade e boa vontade da gestora em receber a população para um diálogo aberto evitando assim prejuízos causados a natureza, com o corte das árvores, e também na mesa de pessoas carentes.

Post Anterior

Em Araguaína: homem é preso acusado de estuprar criança após convida-la para ir buscar brinquedo em residência

Próximo Post

Governo do Tocantins sanciona lei que congela salários e progressões de servidores