0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 09/07/2019 17:32

A Operação Midas, investiga crimes contra a administração pública, lavagem de dinheiro e organização criminosa no âmbito do Poder Legislativo local. Durante a ação, foram cumpridos mandados de busca e apreensão de documentos e equipamentos eletrônicos, como também a condução de sete investigados para prestar esclarecimentos a respeito das investigações. Entre os suspeitos estão membros do Poder Legislativo de Colméia, um ex–gestor municipal e assessores técnicos do parlamento. 

De acordo com o delegado Roberto Assis, responsável pela operação, as investigações duraram cerca de oito meses e partiram de denúncia de que parlamentares estariam recebendo favorecimento econômico para aprovar balancetes, projetos de lei, como também a manutenção de investigados em cargos públicos. As suspeitas é que em oito anos, cerca de R$ 600 mil foram desviados em licitações fraudulentas e atividades de corrupção ativa e passiva. 

Ainda segundo o delegado, mesmo não havendo prisões, cada investigado assinou um termo de compromisso de pagamento de fiança estipuladas entre 02 (dois) a 10 (dez) salários mínimos, sob pena de serem presos preventivamente.

Apoio

Participaram da operação unidades especializadas da Polícia Civil na Capital, além de Delegacias Circunscricionais e Especializadas do município de Guaraí.

Post Anterior

Prazo para os proprietários de terra fazerem a inscrição no Cadastro Ambiental Rural pode acabar

Próximo Post

Aprovação de projeto que reduz burocracia para produção de queijo artesanal é comemorado com degustação no Senado