0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 09/03/2022 20:39

A senadora Simone Tebet, pré-candidata do MDB à presidência, mostrou-se hoje favorável a duas medidas para reduzir o preço dos combustíveis para o consumidor final: um subsídio bancado pelo governo e a criação de um fundo de compensação para os cobustíveis.

“A Petrobras tem sócios, mas é majoritariamente da União, o que significa que o governo tem, sim, o poder de determinar certas medidas em momentos de crise, ainda que tenha de compensar a Petrobras por isso”, diz Tebet.

Segundo ela, a fatia dos lucros de 2021 da Petrobras que cabe à União – algo entre 35 e 40 bilhões de reais – poderia ser usada para subvencionar uma redução temporária dos preços na bomba. “Nestes meses de turbulência, poderíamos obter uma redução de 1 real, ou até mais, principalmente no valor do diesel, que é o que mais impacta do valor de todos os produtos transportados no Brasil”, afirma a senadora.

Tebet também apoia a ideia de um fundo de estabilização para os derivados de petróleo. Ele consta do substitutivo do senador Jean Paul Prates (PT-RN) para o PL 1472/2021.  O substitutivo estabelece uma banda móvel para os combustíveis. Quando os preços estiverem baixos, os recursos correspondentes à diferença entre o preço de mercado e o limite inferior da banda são acumulados em uma conta. Quando os preços se situarem acima do limite superior, os recursos da conta de estabilização são usados para trazê-los de volta para o intervalo da banda.

“Isso aumenta a previsibilidade, as empresas, os caminhoneiros, os motoristas em geral vão poder planejar seus gastos com mais segurança”, diz Tebet.

A votação do PL estava agendada para esta quarta (9), mas acabou adiada por falta de consenso entre os senadores.

Post Anterior

PSB desiste de formar federação com PT, mas aliança com Lula será mantida

Próximo Post

União Brasil anuncia que terá candidato próprio à Presidência