0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 18/05/2022 13:58

Uma parceria firmada entre o Serviço Social da Indústria (SESI), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e o Exército Brasileiro tem como objetivo reduzir o número de jovens e adultos sem estudos, isto através do programa EJA- Profissionalizante. Em evento realizado na tarde dessa terça-feira (17), na sede do 22° Batalhão de Infantaria do Exército (22° BI), em Palmas, servidores do SESI apresentaram detalhes do programa que eleva a escolaridade de forma rápida e eficaz para os jovens efetivos do Exército. 

Um dos grandes desafios da educação brasileira é a formação de pessoas que já passaram da idade escolar. Milhares de brasileiros, por motivos diversos, não conseguiram concluir os estudos e isso também atinge o Exército. Só em Palmas, por exemplo, mais de 50 jovens reservistas não possuem o certificado de conclusão do ensino médio.  

Como nem todos os jovens que adentram o Exército conseguem permanecer na corporação, o Tenente-Coronel Adenir Fernandes Nogueira, comandante do 22º BI, viu a necessidade de ajudar esses jovens a finalizarem os estudos e se qualificarem. 

“Nós temos um efetivo de 298 militares que ingressam todos os anos no Batalhão e somente alguns conseguem ser incorporados ao Exército após 12 meses. Do total dos que ingressam, somente uns 30 permanecem, já o restante volta para o mercado de trabalho; além disso, a gente identificou que muitos militares que adentraram este ano não têm o ensino médio completo. Com isso, conversamos com o SESI e vimos essa oportunidade, já que o curso utiliza os saberes adquiridos durante a vida para abater tempo de curso e é feito de forma online”, disse Nogueira. 

Uma das vantagens do EJA Profissionalizante é que além de agilizar a formação educacional ajuda em uma capacitação profissional, pois o programa utiliza a Metodologia de Reconhecimento de Saberes, que oportuniza ao aluno a conclusão do ensino médio em até um ano, já que sistematiza os conhecimentos que ele adquire ao longo da vida e certifica as competências e habilidades desenvolvidas. 

As aulas são transmitidas por meio da plataforma do SESI Educação, sendo 80% de forma on-line e 20% presencial, o que é uma vantagem para quem já está no mercado de trabalho, como explica o supervisor de educação do SESI, Márcio Ferreira. “O programa proporciona um benefício grande para estes alunos. Primeiro, porque é uma carga horária online, ou seja: é flexível, eles podem estudar na hora que encaixar na agenda deles, quando eles acharem melhor e tiverem disponibilidade. Segundo, porque a nossa plataforma é adaptativa e os alunos podem usar tanto no computador quanto no tablete. Por fim, a carga horária pode ser abatida por meio do Reconhecimento de Saberes, que é o grande chamariz do EJA Profissionalizante, pois os alunos vão ter toda a experiência de vida deles avaliada e isso pode reduzir a carga horária de estudos. Tudo isto sem contar com a parceria do SENAI, que vai disponibilizar um curso de qualificação que é primordial para o mercado de trabalho”, destaca Ferreira. 

Com a parceria, o SESI e o SENAI vão disponibilizar uma turma específica para os efetivos do Exército, com calendário especial e as aulas devem iniciar em agosto deste ano. Durante o evento de apresentação 52 inscrições foram realizadas. 

Post Anterior

Governo do Tocantins promove torneio de futebol society na semana do aniversário da capital 

Próximo Post

Flávio tenta justificar gastos de Bolsonaro com cartão corporativo: “Segurança”