0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 14/05/2022 06:53

A saída do almirante Bento Albuquerque do Ministério de Minas e Energia enfraqueceu a posição de José Mauro Ferreira Coelho no comando da Petrobras. O engenheiro químico, formado pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), já está sendo fritado no Palácio do Planalto.

Segundo interlocutores, a nomeação de Adolfo Sachsida para o lugar de Bento faz parte de um “movimento mais profundo”, capitaneado por Paulo Guedes com apoio de Ciro Nogueira e outras figuras do Centrão.

O pano de fundo continua sendo a política de preços da Petrobras, diariamente atacada por Jair Bolsonaro, que vê sua popularidade estagnar — enquanto Lula faz promessas mirabolantes para baixar na marra os combustíveis, caso eleito.

Nesta semana, Guedes recobrou poder com a nomeação de Sachsida, seu assessor, com discurso alinhado ao de Bolsonaro.

O ministro da Economia está convicto de que a reeleição do presidente depende do controle da inflação e tenta emplacar na Petrobras Caio Paes de Andrade, outro assessor, que chegou a ser cotado para o cargo na petroleira no mês passado, mas acabou perdendo para Ferreira Coelho, bancado por Albuquerque.

Desta vez, Guedes conta com o fundamental apoio das lideranças do Centrão que queriam a nomeação de Adriano Pires, rifado pelos militares.

Post Anterior

"Papai do céu nos ajudou", diz Bolsonaro sobre decisão do ICMS

Próximo Post

Estados vão recorrer da decisão de Mendonça sobre ICMS do diesel

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *