0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 16/06/2021 14:20

O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, afirmou que Lázaro Sousa, 32, suspeito de matar quatro pessoas de uma mesma família no Distrito Federal na quarta-feira (9) passada, ia matar outra família feita refém nesta terça (15), em Goiás.

Em entrevista a jornalistas na noite desta terça-feira (15), Miranda disse que Lázaro fez um casal e a filha reféns na região de Cocalzinho de Goiás, e que a família só não foi morta porque a polícia chegou a tempo. Um policial foi baleado na operação.

Foto: Divulgação.

O secretário revelou ainda que criminoso tem um ritual para atacar as vítimas. “Ele usou o mesmo modus operandi de sempre. Leva para a beira do rio, manda tirar as roupas e uns ele acaba matando. Hoje teria sido esse o destino dessa família, principalmente depois que ele percebeu que a menina tinha pedido ajuda”, disse o secretário.

A filha do casal conseguiu pedir ajuda a um policial que tinha visitado a chácara na véspera. Policiais civis, militares e rodoviários cercaram a região em busca do suspeito e estão visitando várias residências. A região, segundo o secretário, está toda cercada, e as buscas foram retomadas na manhã desta quarta.

“Estamos entrando no oitavo dia, mas se precisar a gente entra no 38º… Só vamos sair daqui com esse sujeito na mão”, afirmou Miranda.

Ao comentar a dificuldade em capturar o suspeito, o secretário atribuiu a demora ao conhecimento que Lázaro tem da região.

“Ele é nascido e criado aqui nessa região, é mateiro, sabe se movimentar como ninguém. É um psicopata, não tem o menor valor à vida dele nem à de ninguém. Isso dificulta nosso trabalho. Essa região tem muitas chácaras, casas abandonadas, casas de passeio e uma grande mata auxiliar fechada. Isso desfavorece quem está perseguindo e favorece quem é da região. Isso é a grande dificuldade nossa e hoje chegamos muito perto”, completou.

Desde sábado, quase 300 agentes do Distrito Federal e de Goiás participam da força-tarefa para capturar o suspeito.

Policial foi baleado no rosto em troca de tiros com Lázaro; buscas chegam ao oitavo dia

Um policial militar levou dois tiros de raspão na tarde de terça-feira (15) após trocar tiros com Lázaro Barbosa de Sousa na região de Edilândia-GO. Lázaro havia capturado uma família com três pessoas e levado para um córrego próximo à chácara deles.

Chegando próximo ao córrego, Lázaro mandou as vítimas deitarem e cobriu elas com folhas para que os drones e helicópteros não avistassem as vítimas. No entanto, policiais que estavam a pé viram a cena. Neste momento, o criminoso atirou nos agentes e conseguiu fugir novamente. A família já está fora de perigo.

A família sequestrada por Lázaro na segunda (15) mora próximo à base montada pela força-tarefa. A mensagem de voz abaixo explica a situação do policial baleado:

Oitavo dia de buscas

Já são oito dias em que Lázaro vem aterrorizando a população de Ceilândia-DF, Edilândia-GO e Cocalzinho de Goiás-GO. O criminoso fugiu na última quarta-feira (9) após matar Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. A mulher da família, Cleonice Marques, 43 anos, foi levada com ele e encontrada morta no último sábado (12).

Desde então, Lázaro tem invadido chácaras, feito reféns, atirado contra caseiros e pedido comida em residências. Há 200 policiais empenhados na busca do criminoso. O secretário de Segurança de Goiás, Rodney Miranda, está na região coordenando a força-tarefa.

Post Anterior

Luciano Huck descarta candidatura à Presidência em 2022

Próximo Post

Um terço da população vacinável tomou a primeira dose contra covid