0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 08/03/2022 12:59

Três réus que participaram de assalto a uma agência do Banco do Bradesco no ano de 2018, na cidade de Colmeia, foram condenados em ação penal proposta pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO) a penas de 14 anos e cinco meses de reclusão e 12 meses de detenção.

As penas somam condenações pelo crime de organização criminosa; pelo crime de dano qualificado; e pelo crime de roubo praticado mediante grave ameaça ou violência, em concurso de pessoas e com restrição à liberdade das vítimas, conforme foi elencado pelo MPTO na denúncia.

Os três réus (Adriano Santos Borges, Antônio Pereira Borges e Luan Estefanni Costa de Oliveira) deverão cumprir as penas em regime inicialmente fechado e sem direito a recorrer em liberdade. Dos demais criminosos que participaram do assalto, três não foram encontrados pela Justiça, um foi morto posteriormente em estabelecimento prisional do Estado Pará e outros não foram ainda identificados.

Os réus foram julgados pela 1ª Escrivania Criminal de Colmeia em 24 de fevereiro.

Novo Cangaço
O assalto foi praticando na modalidade conhecida como “Novo Cangaço”. O Ministério Público do Tocantins narrou na denúncia que os participantes agiram subdivididos em três grupos: um impedia a aproximação de veículos pela rodovia TO-336, outro atuava para conter a Polícia Militar efetuando disparos contra o destacamento policial e um terceiro capturava reféns e explodia os terminais e o cofre da agência bancária. A agência ficou completamente destruída em razão do uso de explosivos; R$ 130 mil foram roubados.

Post Anterior

Emprego e faturamento na indústria iniciaram 2022 com novas altas

Próximo Post

Otan diz que vai impedir que Moscou expanda a agressão