0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 17/02/2020 15:13

No período do carnaval, os retiros espirituais são uma opção para quem deseja ficar longe das folias e buscar momentos de reflexão, oração e lazer. 

Com isso, o Corpo de Bombeiros Militar alerta para cuidados importantes em locais de retiros, onde deve existir meios de prevenção e socorro que auxiliem nos atendimentos, tipo: colete salva-vidas, caixa de primeiros socorros, boias amarradas a um pedaço de corda e outros itens de segurança, todos à vista e em local de fácil acesso e uso.

“É importante as pessoas saberem que esses locais são privados e a segurança pública não estará por lá, então as medidas de segurança vão ficar a cargo do organizador”, destacou o major Antônio Luiz Soares da Silva, gerente do Sistema Integrado de Operações (SIOP). “É importante que ele esteja atento aos riscos presentes no ambiente”, completou.

Comuns em muitas chácaras e propriedades rurais em todo o estado, os lagos, represas e rios são os que mais requerem estado de alerta para se evitar afogamentos. “Para o organizador se antecipar a esse fato [afogamento] é importante ter uma boia amarrada a uma corda, saber a profundidade do local e orientar as pessoas a tomar banho apenas onde há profundidade segura”, pontuou o major.

Nadar e se afastar das demais pessoas, fazer brincadeiras de travessias em locais com correntezas, bem como saltar de elevações são atitudes que o CBM não recomenda. “Esses são riscos que podem levar a óbito por afogamento muito rapidamente”, alertou o major Soares.

As crianças também merecem cuidados especiais. A orientação é que elas não fiquem a sós, sobretudo na água. “Não deixar a criança tomar banho sozinha e de preferência, sempre que ela for para a água, ela esteja de colete salva-vidas e tenha um adulto à distância máxima de um braço”, relatou Soares.

Obrigatoriamente, para quem vai para os rios, lagos e represas com embarcações, deve-se usar colete salva-vidas.

“Nossa estatística de afogamento no Tocantins é 14 vezes maior que a estatística do país, devido às características dos nossos rios, águas hostis, rios largos e correntezas fortes. O usuário precisa usar o colete salva-vidas”, completou Soares.

“Todo ano tem morte por afogamento nos eventos, tanto em locais públicos, quanto nos privados, tipo retiros, excursões, acampamentos familiares e de igrejas”, concluiu Soares.

Post Anterior

Mais de 15 projetos de leis tramitam nas comissões da Assembleia

Próximo Post

Cada deputado federal custa mais de R$ 2 milhões por ano