0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 14/05/2022 06:33

Os partidos que mais conquistaram filiados de outubro de 2018 a abril de 2022 foram  Republicanos (99.412) e o PSD (80.145). Os dados são de levantamento do Poder360 com informações do TSE.

Também se destacou o Psol, que chegou a 223 mil integrantes, alta de 48%.

O crescimento dos Republicanos, sigla ligada à Igreja Universal, é indicativo da maior participação de evangélicos na política nos últimos anos. O grupo viu suas pautas conservadoras avançarem, ganhou um ministro do STF e demonstrou força para fazer avançar suas reivindicações, como a isenção de IPTU para igrejas em fevereiro.

“Fizemos várias campanhas de filiações com as executivas estaduais e municipais“, diz o deputado Marcos Pereira (SP), o presidente da legenda, se referindo à campanha Filia 10.

Do outro lado, o Psol conseguiu transformar a insatisfação com o governo Bolsonaro em filiados mais do que o PT. Ganhou quase o dobro de novos integrantes e já é procurado por petistas para disseminar conteúdo sobre o ex-presidente Lula nas redes sociais de jovens, público que tem mais expertise.

O Psol é o 2º partido mais jovem (7,7% dos filiados até 24 anos), só perdendo para o União Popular (34,8%), que não tem representatividade. Ao são 7.668 pessolistas jovens.

QUEM PERDEU FILIADOS

O MDB foi o partido que mais perdeu quadros. Conta 261 mil filiações a menos. O número de filiados de DEM e PSL (agora fundidos no União Brasil) é 252 mil inferior ao que era em outubro de 2018. Ou seja, 1 de cada 5 integrantes das siglas que se uniram pulou fora durante este governo.

O PL perdeu 26.487 integrantes desde o início do mandato. A entrada do presidente Bolsonaro no partido, em 30 de novembro de 2021, não foi suficiente para que a sigla recuperasse os  quase 800 mil filiados que tinha no início do governo.

O número total de integrantes de partidos registrados caiu 650 mil desde o fim de 2018. Mas ainda é irreal: 16 milhões.

OS MAIORES PARTIDOS

Mesmo com a perda de filiações, o MDB ainda lidera os registros: 2,1 milhões. É seguido por PT (1,6 milhão), PSDB (1,4 milhão), PP (1,3 milhão) e PDT (1,1 milhão).

Os números, porém, estão inflados. Não é crível, por exemplo, que o MDB tenha 2,1 milhões de filiados, o dobro da soma de todos os partidos da Alemanha.

Isso se dá porque as siglas não fazem recadastramento periódico de filiados e por não haver a exclusão regular de pessoas que morreram dos registros. Reportagens já mostraram que pessoas que morreram há mais de 15 anos permaneciam nos registros como filiados “regulares”.

De acordo com a Lei dos Partidos Políticos, a Justiça Eleitoral é a responsável pela exclusão dos eleitores mortos da lista de filiados. Contatado pela reportagem, o TSE disse que “os registros de filiação são cancelados automaticamente nos casos de óbito e perda de direitos políticos”.

Não respondeu, no entanto, se houve alguma mudança de orientação nos últimos anos que fizesse esse sistema automático efetivamente funcionar.

Os partidos que mais perderam filiados também estão entre aqueles com maior número de idosos. Metade dos filiados do MDB tem mais de 60 anos. O PP tem 48% e o PTB, 46%. É difícil ter noção, no entanto, do quanto disso são mortos que ainda permanecem no cadastro.  Fonte Poder 360

Post Anterior

Carro voador japonês recebe primeira aprovação e deve começar a ser utilizado em 2025, assista o vídeo

Próximo Post

Mendonça derruba decisão do Confaz sobre ICMS do diesel

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *