0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 09/06/2022 17:54

O retorno do Brasil a um cenário de fome e desnutrição generalizadas já atinge mais de 15% da população, cerca de 33 milhões de brasileiros. Para muitas famílias, os efeitos da falta de alimentação adequada em casa poderiam ser amenizados com a merenda escolar para as crianças terem acesso a pelo menos uma refeição completa. No entanto, o repasse federal para a alimentação dos alunos da pré-escola ao ensino médio não chega a R$ 1 por aluno por dia.

A situação se deve ao desmonte e à falta de investimentos em políticas públicas de qualidade que  atingiram também o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), criado em 2009 e que beneficia cerca de 40 milhões de crianças matriculadas na rede pública de ensino.

Segundo dados publicados nesta quinta, 9, pela Folha de S. Paulo, a verba para crianças da pré-escola, em fase crucial de desenvolvimento, é de R$ 0,53 por aluno. No ensino fundamental e médio, a situação é ainda pior, com repasses de R$ 0,36 per capita. Creches recebem cerca de R$ 1,07 por criança e no ensino integral o valor pode chegar a até R$ 2.

Enquanto os preços dos alimentos não param de subir no país, o orçamento do PNAE teve uma queda de cerca de R$ 100 milhões em 2022. Neste ano, foram R$ 3,96 bilhões em recursos, contra R$ 4,06 bilhões em 2021, ano em que parte da rede escolar teve atividades reduzidas por conta da pandemia de Covid-19.

Se os números já mostram um quadro preocupante, eles ficam ainda piores quando se leva em conta que 125,2 milhões de brasileiros, quase 60% da população, sofre algum tipo de insegurança alimentar, como mostra uma pesquisa divulgada na última quarta-feira. O estudo mostra ainda que o número de casas onde vivem menores de 10 anos em situação de insegurança alimentar grave subiu de 9,4% no final de 2020 para 18,1% em 2022.

Desigualdades são ampliadas

Criado para suplementar os investimentos municipais e estaduais na alimentação escolar, o PNAE acaba tendo uma importância muito grande em cidades mais pobres, que têm acesso a menos fontes de recursos. Em entrevista à Folha, Mariana Santarelli, coordenadora do Observatório da Alimentação Escolar e assessora de políticas públicas da FIAN Brasil (Organização pelo Direito Humano à Alimentação e à Nutrição Adequadas), explicou como isso aumenta a desigualdade nesses locais.

“Municípios com alta arrecadação chegam a destinar até cinco vezes mais do que é transferido pelo governo federal, enquanto os mais pobres, onde estão as crianças e os adolescentes em situação de maior vulnerabilidade alimentar, não conseguem aportar recursos adicionais para a compra de alimentos. O resultado disso é o reforço das desigualdades no acesso à alimentação. No semiárido brasileiro, por exemplo, há grande dependência dos municípios em relação aos recursos federais, e o Pnae é o único repasse para a compra de alimentos nas escolas públicas”, relatou.

Post Anterior

Em Araguatins, Governo do Tocantins autoriza Ordem de Serviço para manutenção da TO-010 e acompanha obras do município

Próximo Post

Profissionais da saúde de Palmas destacam a importância da imunização na prevenção de doenças

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.