0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 23/04/2018 18:28

O Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira, 23, traz a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a comercialização de quatro novos medicamentos genéricos. Um deles é o Entricitabina combinado com Fumarato de Tenofovir Desoproxila, produto usado para o tratamento de pessoas que contraíram o vírus HIV.

Foto: Divulgação

O medicamento de referência é o Truvada, cujas indicações incluem a profilaxia pré-exposição (PReP), usada para reduzir o risco de infecção pelo vírus adquirido sexualmente em adultos de alto risco.  Atualmente o Truvada é importado a um custo elevado. O Ministério da Saúde também importa componentes do Truvada para distribuição pelo Sistema Único de Saúde (SUS), de acordo com a assessoria de imprensa do órgão.

Outro produto genérico inédito com registro aprovado pela Anvisa é o Perindopril Erbumina combinado com Indapamida, indicado para o tratamento da hipertensão arterial (pressão alta), que acomete uma a cada quatro pessoas adultas, segundo dados da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH). 

Entre os produtos aprovados pela Anvisa, está também o genérico inédito Bilastina, indicado para o tratamento sintomático de rinoconjuntivite alérgica (intermitente ou persistente) e urticária. 

A Anvisa ainda autorizou a venda do medicamento genérico Undecilato de Testosterona. Esse produto é usado em terapias de reposição de hormônio sexual em homens que apresentam hipogonadismo primário e secundário (doença que faz com que homens produzam pouca testosterona).

Vantagens

Segundo o médico especialista em doenças tropicais, Alexandre Janot, a produção de genéricos é positiva, pois o preço fica mais acessível e ainda adquirimos a tecnologia para produção, “além da questão financeira, a produção dos genéricos ajuda no desenvolvimento de um parque tecnológico e até no desenvolvimento de outros medicamentos”, explica o médico.

Baixo custo

Pela legislação brasileira, o medicamento genérico deve ser disponibilizado no mercado com um desconto de, pelo menos, 35% em relação ao preço máximo da tabela da Anvisa. Somente em 2016, foram comercializadas 1,46 bilhão de embalagens de genéricos no Brasil. Essa quantidade representou 32,4% de todas as vendas efetuadas no ano, de acordo com informações da segunda edição do Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico 2016, lançado do pela Anvisa em 2017.

Post Anterior

"Nome de Wanderlei Barbosa para vice foi consenso", diz vice-presidente regional do PHS

Próximo Post

Debate na ACIPA