0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 12/03/2022 10:53

Relator do processo de impeachment, o deputado estadual Professor Júnior Geo (PROS) afirma que a Assembleia Legislativa cumpriu com o seu dever e que ninguém renuncia a um mandato de governador sendo inocente. 

Sem saída

 “O governador afastado percebeu que não tinha saída porque nosso relatório, aprovado por unanimidade pelos 24 deputados estaduais, foi muito bem fundamentado, com provas robustas e muito graves, com delações e documentação contidas no processo que trariam a cassação inevitável porque ninguém renuncia a um mandato de governador sendo inocente”, afirma.

Desde 2019

De acordo com o relator, desde o ano de 2019, a movimentação do governador afastado denunciava possíveis ilicitudes que culminaram com um pedido dele de CPI para investigar as denúncias de médicos e empresários sobre as propinas do Plansaúde – “Achamos as denúncias muito graves e entramos com um pedido de CPI, aqui na Assembleia Legislativa que infelizmente teve só a nossa assinatura e assim não conseguimos investigar” – conta o deputado.

Continua

Segundo o Professor Júnior Geo, é necessário quebrar esse ciclo de corrupção e de governos sem conclusão e sem gestão que têm maltratado o Estado do Tocantins e sua gente. “Continuaremos aqui lutando para acabar com esse ciclo histórico de corrupção e mandatos não cumpridos que tanto fizeram mal ao Tocantins” – assegura.

Resultados

Sobre a nova gestão do governador Wanderlei Barbosa, Júnior Geo diz que a população está à espera de respostas efetivas na melhoria dos serviços públicos. “Precisamos de gestão que traga resultados práticos na vida das pessoas, com saúde de qualidade, segurança pública, rodovias trafegáveis e geração de emprego” – conclui.

Post Anterior

Assembleia Legislativa empossa Wanderlei Barbosa como governador do Estado do Tocantins

Próximo Post

Prazo para pagamento à vista do IPTU de Palmas com 10% de desconto termina no dia 15 de março