0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 23/04/2018 11:07

Informações de bastidores sempre aguçam a curiosidade e esquentam as discussões, rodas de botequim e de barbearia (agora são tantas em Palmas, né), pra não dizer dos balcões de farmácia(que também se multiplicaram nos últimos dois anos).

Pois sim. Enquanto os partidos políticos se movimentavam no final de semana, angariando adeptos(lembram dos ônibus lotados de trabalhadores e de apoiadores ‘laçados’ no campo e nas cidades para bandeirolar nos semáforos e rotatórias?) e tentando desarticular as alianças alheias, em alguns casos, abandonando ao longo do caminho quem tinha pouco peso(opa?!), em outra frente, os fiéis aos cassados Marcelo Miranda e Cláudia Lélis, enchiam os grupos de mensagens instantâneas com ‘alertas’ de que o ministro Gilmar Mendes liberará a liminar – que já estaria pronta desde a ‘juntada’ da nova petição na última sexta-feira, 20 – até terça ou quarta-feira, 25.

De fato mesmo, com prova de andamento deste recurso, só existe a movimentação desta segunda-feira, 23, registrada no acesso ao processo, disponível no portal eletrônico do Supremo Tribunal Federal. O que significa isso? Bom, “após a a juntada da petição, o processo voltou pro relator”, resumiu um advogado consultado pelo Portal Orla Notícias. Este também acrescentou: “Deus queira que decida logo, ou sim ou não, mas que decida”. Em outras palavras, nem a defesa de Miranda, nem o restante do Tocantins, suporta mais a indefinição. Como de resto todos estão fartos de saber. 

A demora nesta decisão de Mendes (“no caso é decisão, porque é ato monocrático do ministro e não do colegiado”, explicou um jurista), atrasa a vida de todos, por mais desligados que estejam da movimentação de bastidores e dos ônibus e aviões que já saíram em campanha neste período de eleições suplementares. As próximas horas são, portanto, decisivas. Não definitivas, considerando que no Brasil, nem sempre o que é, é. E lembrando um polonês, que nada tem com esta história diretamente, e até já morreu, “nada é para durar”(Zygmunt Bauman). 

Post Anterior

Fogo destrói parte de residência e assusta moradores na região norte do Estado

Próximo Post

Indefinido

1 Comentário

  1. Alison Yoshimi
    23 de abril de 2018 at 17:40 04404

    Ótimo texto.