0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 27/07/2020 15:47

As propriedades rurais que apresentaram altos índices de queimadas nos últimos três anos começaram a receber, nesta semana, a visita das equipes da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) e da Defesa Civil, instituições que compõem o Comitê do Fogo do Estado do Tocantins.

A ação é mais uma etapa do projeto Foco no Fogo, que leva informações sobre educação ambiental e orientações sobre prevenção, controle e combate às queimadas.

O mapeamento dessas áreas foi possível por meio de uma parceria entre a Semarh, que utilizou as informações do Cadastro Ambiental Rural (CAR); e o Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo (Cemaf), da Universidade Federal do Tocantins (UFT), câmpus de Gurupi. Os dados com a localização dessas propriedades servem como norteadores para as equipes realizarem as visitas de forma mais precisa.

O secretário da Semarh, Renato Jayme destaca que “o projeto Foco no Fogo é mais uma das ações de educação ambiental desenvolvidas pela instituição com o objetivo de preservar o meio ambiente, e esse projeto, em especial, está atuando de forma mais efetiva já que estão indo até as propriedades identificadas como as que mais queimaram nos últimos três anos”. O secretário ainda destaca que “esse trabalho requer muito esforço por parte das equipes para chegar principalmente nos imóveis rurais de difícil acesso e que possuem histórico de queimadas”.

Além dos materiais com informativos sobre as queimadas, cada imóvel visitado fica identificado com o adesivo contendo o número (63) 99988-0030 do WhatsApp Ambiental que funciona para tirar dúvidas sobre queimadas. O aplicativo também divulga, por meio da linha de transmissão, os Boletins Diários que trazem informações sobre as variáveis meteorológicas de cada região do Estado.

As equipes do projeto Foco no Fogo também repassam aos moradores que eles podem se cadastrar para receber essas informações enviando nome completo, cidade que reside e o número de telefone WhatsApp para o e-mail [email protected], ou através do contato no próprio WattsApp Ambiental.

A Diretoria de Desenvolvimento Sustentável da Semarh (DDS) está na coordenação logística do projeto Foco no Fogo e, segundo a diretora Karynne Sotero, “esse trabalho que está sendo desenvolvido é de grande importância para o Estado, pois as visitas estão sendo direcionadas exatamente para as propriedades que apresentaram elevados índices de queimadas”. A diretora também ressalta que “por meio da conversa e da distribuição dos materiais com informações mais detalhadas sobre os riscos dos incêndios, estamos conscientizando os moradores das zonas rurais e acreditamos que vamos obter um resultado positivo com a diminuição das queimadas nessas áreas”.

O projeto Foco no Fogo já visitou mais de 340 propriedades rurais que estão localizadas nas cidades de Palmas, Brejinho de Nazaré, Porto Nacional, Lajeado e Monte do Carmo. As próximas cidades que vão receber as equipes do projeto serão: Miranorte, Miracema, Novo Acordo, Tocantínia e Aparecida do Rio Negro. A segunda etapa do projeto segue até o próximo dia 13 de agosto, quando estará desenvolvendo o trabalho de educação ambiental no município de Rio Sono.

Novo Coronavírus (Covid-19)

As ações do projeto Foco no Fogo estão sendo executadas seguindo todas as orientações do Governo do Estado, a fim de evitar a propagação do novo Coronavírus (Covid-19). Dentre as medidas de segurança adotadas pelas instituições estão o uso de máscara de proteção e álcool em gel; o distanciamento; e a redução do número de pessoas que participam das visitas. Os proprietários dos imóveis rurais visitados pelas equipes da Semarh e do Naturatins também estão recebendo kits contendo máscaras de proteção e álcool em gel para auxiliar na prevenção do contágio do novo Coronavírus.

Post Anterior

Cerca de 90,62% da a pessoas dos grupos prioritários receberam vacina contra influenza no Tocantins, diz SES

Próximo Post

Corpo de Bombeiros registra 41 mortes por afogamento neste ano no Estado