Home»Comunidade»Presidente da Câmara de Lagoa do Tocantins tranca porta e impede eleição da nova mesa diretora: Veja vídeo

Presidente da Câmara de Lagoa do Tocantins tranca porta e impede eleição da nova mesa diretora: Veja vídeo

Atualizada em: 06/11/2018 11:25

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

A eleição que escolherá os novos membros da mesa diretora da Câmara Municipal de Lagoa do Tocantins, 121 km de Palmas, que estava prevista para acontecer nesta segunda-feira, 5, foi suspensa após o presidente da Casa, Ruberval Aires Corado (MDB) não comparecer para abrir o prédio onde funciona a Casa de Leis. Segundo um grupo de cinco vereadores, a ação de Corado visa impedir que a eleição aconteça.

O vereador e vice-presidente da Câmara, Hélio Vaqueiro (Patriota) em entrevista exclusiva ao Portal Orla Notícias afirmou que o atual presidente não comunicou a suspensão da sessão ordinária. “Ele foi na casa da ASG (assistente de serviços gerais) e da secretária e confiscou as chaves delas para que não pudessem abrir a Câmara. Ele tomou uma decisão sozinho e não avisou. Foi uma decisão própria. Ele não tinha o direito de fazer isso”, explicou Vaqueiro;

Ainda de acordo com Hélio Vaqueiro, a alegação para o cancelamento da sessão foi falta de energia elétrica, porém a mesma foi restabelecida. “Ele disse que foi por falta de energia, mas foi restabelecida e tínhamos até meia noite para fazer a sessão. Mesmo explicando que éramos maioria e a decisão dele ia causar prejuízos, ele se recusou a abrir a Câmara”, destacou.

Segundo o regimento interno, as sessões devem acontecer às segundas-feiras e mesmo com a maioria dos parlamentares presentes, Ruberval se negou a liberar a entrada alegando que não havia energia elétrica no local. Vereadores relataram ainda que o presidente pediu as cópias das chaves que ficavam com duas servidoras e mesmo após entrarem em contato com ele para que a votação fosse realizada, não obtiveram retorno.

Para o vice-presidente houve abuso de autoridade. “Nosso grupo hoje é oposição a atual gestão. Ele esteja boicotando por sermos maioria dos votos. Está tentando ganhar tempo para conseguir que alguém mude o voto ou usar a velha política de comprar alguém. Ele utilizou de todos os meios para não permitir o acontecimento da sessão, está agindo com abuso de autoridade”, comentou Vaqueiro.

Vídeo

Os vereadores Ney Araújo, Samila Ribeiro, Emanuela Batista, Professor Moisés e Hélio Vaqueiro gravaram um vídeo em frente ao prédio relatando o caso e informaram que tomarão as medidas cabíveis. A polícia também foi acionada e um boletim de ocorrência foi registrado.

 Mandado de segurança

Para garantir que a sessão aconteça, Hélio Vaqueiro afirmou que os vereadores irão entrar justiça. “Vamos protocolar ainda hoje o pedido do mandado de segurança para garantir que o regime interno seja cumprido. Vamos pedir também a cassação do atual presidente. Isso é um absurdo”, afirmou.

Presidente explica

Ao Orla Notícia, o vereador e atual presidente Ruberval Aires Corado disse que quando a energia elétrica foi restabelecida, o mesmo já estava pronto para dormir. “Já estava muito tarde. Era 21h30 quando a energia voltou, eu já estava até deitado para dormir. Só por isso que não fui abrir”, explicou Corado.

Ainda de acordo com o presidente, ele mesmo foi buscar as chaves na residências das servidoras da Casa de Leis. “Por volta das 19h40 liguei e uma tem uma criança pequena e justificou que estava como medo de sair e a energia não voltar. Ela não poderia deixar a criança pequena em casa. A outra disse que já estava muito tarde. Por isso fui buscar as chaves”, informou.

Sobre o vídeo gravado, Corado afirmou que não havia necessidade da ação e afirmou que não há previsão para realizar uma nova sessão. “Era 21h39 quando fizeram o vídeo, estava muito tarde. Isso é um abuso. Sobre a nova sessão ainda estou vendo o dia”, ressaltou.

 

 

 

Post Anterior

Bebê engasgado é salvo por bombeiros em Paraíso: criança foi reanimada

Próximo Post

Unidades prisionais tem novos chefes: mudanças coincidem com episódios de explosões, fugas e investigações de irregularidades

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *