0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 02/07/2020 12:41

Um estudo de quase 10 anos que o Banco Central vem fazendo comprovou que aprender educação financeira na escola podem evitar com que as pessoas venham se endividar menos no futuro. Com um certo conhecimento financeiro isso pode ser mudado.

As últimas Pesquisas de Endividamento e Inadimplência do Consumidor indica 67,1% das famílias ao menos uma divida, assim podemos dizer com o maior patamar desde janeiro de 2010.

Em junho, o país somava 11,2 milhões de desempregados, este número cresceu muito neste período da pandemia.  Todos nós sabemos  que a Covid-19 vem fazendo um impacto econômico muito grande no país e com isso o crescimento neste números de desempregados,  mas temos que levar em consideração que ela não e a única causa. Se buscarmos no tempo a exatamente um ano não tínhamos a pandemia e o endividamento já era muito alto em junho de 2019.

Voltando um pouco no passado em 2019 foi comentado pelo presidente do Serasa Experian que o percentual de inadimplência nacional era igual em todas as classes sociais. Podemos entender que é mais um descontrole de gestão financeira do que poder de aquisição.

A educação financeira  pode ajudar nessa situação

Segundo o Banco Central sugere que sim. Em 2010 e 2011, cerca de 25 mil estudantes receberam aulas de educação financeira no Ensino Médio. As escolas formaram pares similares e cada par de cada instituição eram sorteadas para as aulas e as demais serviam como grupo de controle

RESULTADOS RELEVANTES

Foram impactados 16 mil estudantes e o estudo observou que o grupo de controle eram 9,03% menos propenso a usar o cheque especial e a probabilidade de 6,75% menor de usar o rotativo do cartão de crédito quando adulto.

Podemos dizer que os alunos do grupo controle tinham maior participação no mercado de trabalho formal. Acreditamos hipoteticamente que a ação da educação financeira tenha sim ajudado aos jovens a cursarem o ensino superior em vez de seguirem para o primeiro emprego logo após o Ensino Médio.

O que podemos dizer que ainda é cedo para observar os efeitos de longo prazo nos estudantes impactados. Mas este piloto demonstra que e possível, sim gerar resultados duradouros com conhecimento e ensino da educação financeira.

Quer saber sobe o estudo ele está aqui.

Cicero Piga / Consultor de BI

Post Anterior

Desigualdades e baixo aprendizado são os maiores desafios na educação

Próximo Post

As 14 recessões dos últimos 150 anos - e por que a do coronavírus deve ser a 4ª pior