0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 03/06/2022 11:08

A Polícia Civil do Tocantins (PC/TO) apreendeu na tarde da quinta-feira, 3, em Porto Nacional, 221 kg de cloridrato de cocaína (pasta base), avaliados em cerca de R$ 80 milhões. A apreensão ocorreu após a Polícia Civil do Tocantins receber informações da Polícia Civil de São Paulo dando conta de um possível pouso de aeronave que estaria transportando entorpecentes. 

Após receber as informações, a equipe da 7ª Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado (DEIC – Porto Nacional), com apoio da Polícia Militar do Tocantins (PM/TO) e da Guarda Metropolitana de Porto Nacional, passou a monitorar os aeroportos e as pistas de pouso da cidade. 

A droga estava em um avião da Embraer, modelo BEM-810C, avaliado em R$ 400 mil. O piloto e o copiloto da aeronave, que tinham decolado em Jaboticabal-SP, foram presos em flagrante.

“Ao verificarmos o pouso da aeronave, efetuamos a abordagem, constatamos o transporte de drogas e demos voz de prisão aos dois tripulantes, que foram conduzidos para a Central de Atendimento da Polícia Civil para a lavratura do flagrante”, explicou o delegado Túlio Pereira Mota, acrescentando que a apreensão da droga gerou um prejuízo ao crime de R$ R$ 80,4 milhões. 

Ainda segundo o delegado, os tabletes de droga foram encontrados dentro de malas e tinham impressos o rosto do Al Capone, gângster americano mais famoso da história que dominou o crime organizado em Chicago, nos Estados Unidos. 

Operação Hórus 

A ação nessa quinta-feira, 3, faz parte da Operação Hórus no Tocantins. A operação é coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e atua no combate ao crime nas fronteiras e divisas do país. Com a coordenação da Secretaria de Operações Integradas (Seopi/MJSP), ela se consolida como uma ação integrada das forças de segurança pública no combate ao crime organizado e repressão aos delitos transnacionais.

Al Capone

Alphonse Gabriel mais conhecido como “Al” Capone foi um gângster e mafioso norte-americano que viveu nos Estados Unidos nas décadas de 1920 e 1930. Al Capone liderou um grupo criminoso que geria diversas atividades criminosas, como apostas, agiotagem, prostituição e, principalmente, comércio e contrabando de bebidas. Em 1931, foi condenado pela justiça norte-americana por sonegação de impostos a onze anos de prisão sem condicional. 

Post Anterior

Bolsonaro pressiona por decreto de calamidade para ampliar gastos

Próximo Post

Prefeita de Palmas e embaixador do Japão discutem possíveis parcerias na área da educação

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.