0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 01/07/2020 14:52

As vigilâncias Sanitária (Visa) e Epidemiológica de Palmas começaram nesta quarta-feira, 01, a barreira sanitária no Terminal Rodoviário de Palmas. A ação tem como objetivo monitorar a circulação dos passageiros no local, verificar as condições sanitárias, além de orientar e fiscalizar possíveis irregularidades quanto à prevenção da Covid-19 em uma das principais portas de entrada do Município.

Neste primeiro dia de trabalho, os agentes e fiscais focaram nos trabalhos de orientação e triagem das pessoas sintomáticas, através da aferição da temperatura e preenchimento de um questionário sanitário, que é a informação dos dados pessoais e sintomas.

A fiscalização ocorre já mesmo dentro do ônibus, uma vez que o fiscal da Visa entra no veículo, orienta e verifica os passageiros que apresentam algum sintoma da doença. “Se verificarmos que alguém é sintomático, o agente faz toda a avaliação dessa pessoa. Primeiro estamos priorizando as pessoas que apresentam sintomas e, como é uma ação educativa, esperamos que todos colaborem”, ressalta a gerente de Vigilância Sanitária, Joselia Monteiro.

A responsável também orienta à população sobre a importância de ficar em casa e viajar somente se for necessário. “E se precisar se ausentar da cidade, é preciso tomar todos os cuidados durante a viagem. Muitas pessoas colocam a máscara apenas quando está descendo do ônibus e o vírus pode estar circulando lá mesmo, dentro do veículo, porque existem pessoas aglomeradas”, observa.

A diretora de Vigilância em Saúde, Marta Malheiros, destaca que todos os dias da semana terá uma equipe fazendo a abordagem e realizando a fiscalização educativa nos ônibus e em todo Terminal Rodoviário. “As transportadoras também têm obrigações, uma delas é que não permitam que o passageiro entre no veículo e dê início à viagem sem condições de manter todo o aparato para proteção de todos”.

Barreira Sanitária na Rodoviária de Palmas. Foto: Raiza Milhomem.

Orientações

As ações das blitze envolvem aplicação de questionário rápido de cunho clínico-epidemiológico. A ideia é coletar informações sobre o contato com pessoas confirmadas ou suspeitas, e regiões frequentadas recentemente por essas pessoas e possíveis sintomas.

Além disso, a fiscalização vai orientar as pessoas sobre identificação dos sintomas, fluxo de atendimento na Rede Municipal de Saúde, local e condutas a seguir em pessoas com suspeitas e ainda encaminhará esses casos, no momento da entrevista, para atendimento e agendamento de coleta de teste no prazo adequado. “Essa ação é um trabalho conjunto que deverá reunir esforços de vários órgãos. O objetivo é orientar as pessoas sobre os cuidados da Covid-19 e também quebrar a cadeia de transmissão”, reforça Marta.

Post Anterior

Medidas para aumentar a competitividade das indústrias frigoríficas instaladas no Estado são discutidas na Sefaz

Próximo Post

Começa período do vazio sanitário da soja sequeiro no Tocantins