0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 08/08/2019 18:17

Com intuito de manter a segurança e garantir o uso adequado dos equipamentos de monitoração, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), por meio da Superintendência de Administração dos Sistemas Penitenciário e Prisional do Tocantins (Sispen TO) em conjunto com o Ministério Público, realizou nesta quinta-feira, 8, em Palmas, a Operação Monitorados. A ação contou com a participação de seis Agentes de Execução Penal que realizaram visitas a 60 reeducandos que utilizam tornozeleiras eletrônicas.

Para o bom desenvolvimento da fiscalização, a primeira etapa da ação foi realizada ainda na Central de Monitoramento, com a triagem, seleção dos reeducandos e a formação da rota das principais regiões a serem percorridas. Após a seleção, os agentes foram até as casas dos reeducandos que estão em prisão domiciliar usando tornozeleira e fiscalizaram as condições de cada equipamento, verificaram os principais dados dos reeducandos e alertaram sobre as consequências do descumprimento do que foi imposto nas audiências.

Agentes verificaram condições das tornozeleiras

 O gerente de Monitoramento Eletrônico de Pessoas da Seciju, Rhomenyng de Sousa Afonso, explicou que operações como essa são realizadas como rotina e de também de forma excepcional. “Procuramos realizar essas ações de forma trimestral ou de acordo com a necessidade, elas têm intuito de verificar se o reeducando está cumprindo de forma correta o que foi imposto a ele na audiência e no momento da instalação, e para saber se o equipamento está correspondendo às expectativas”, explicou.

O reeducando, C.P, conta que em decorrência do benefício da tornozeleira está tendo a chance de fazer faculdade. “É uma oportunidade muito grande, graças ao Estado estou me ressocializando, pois estou trabalhando e fazendo faculdade, aprendi  com o erro que cometi e estou tendo uma segunda chance”, relatou.

Monitorados no Tocantins

O Tocantins conta com cerca de 400 monitorados ativos, sendo que 120 dos beneficiados moram na capital, entre eles, estão reeducandos do semiaberto e de regime cautelar. “O Tocantins tem um grande potencial para o monitoramento eletrônico, o intuito é que o número de beneficiados seja ainda maior, pois isso é vantagem para o reeducando, que tem um maior convívio social e para o Estado, que tem menos custos”, ressaltou o gerente de Monitoramento.

Post Anterior

Ao receber reforma, relator defende que senadores não mexam no texto

Próximo Post

Servidores estaduais recebem salários neste sábado, 10