0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 26/04/2022 11:38

A senadora Simone Tebet (MDB) afirmou nesta segunda-feira, 25, que os presidentes do MDB, PSDB e União Brasil serão responsáveis por estabelecer critérios para definir o nome que encabeçará a disputa ao Planalto. A fala foi dada durante entrevista à RedeTV, ao ser questionada sobre a razão para o adiamento do jantar que aconteceria hoje em São Paulo para definir as regras e o calendário do colegiado. As três legendas negociam o lançamento de candidatura única à Presidência.

Uma nota divulgada pela assessoria do ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB) informou que o encontro foi adiado a pedido de Tebet e Bivar, ambos pré-candidatos. A senadora respondeu, durante a entrevista, que não sabe o porquê de o encontro ter sido cancelado, mas disse que já tinha compromissos marcados em Brasília e que Bivar está em viagem ao exterior.

“Foi uma das razões do cancelamento. Mas é importante dizer que nós não precisamos estar nesse jantar. Quem tem que decidir qual é o critério a ser adotado, se vai ser uma pesquisa qualitativa, quem é o mais rejeitado, conta ou não conta, quem está despontando nas pesquisas. Quem vai escolher qual é o critério da escolha do pré-candidato são os presidentes de partido porque assim que reza a nossa regulamentação eleitoral e partidária”, disse Tebet.

A senadora declarou que deu uma procuração em branco para o presidente do MDB, Baleia Rossi, “que é quem tem a legitimidade de, junto com os demais partidos, escolher um critério”. “Não serão os pré-candidatos a definirem esses critérios”, completou.

O grupo de Doria defende a contratação de uma pesquisa de intenção de voto quantitativa que, segundo o paulista, seria “incontestável”. No entanto, o MDB e o União Brasil resistem, por avaliarem que a rejeição do tucano é muito grande.

Frente ampla

Questionada sobre a possibilidade de incluir o pré-candidato à presidência pelo PDT, Ciro Gomes, nesse grupo de discussão da chamada terceira via, Tebet respondeu que “não é só possível, como necessário”. “Acho Ciro Gomes um grande quadro, que tem a coragem de falar aquilo que pensa. A gente pode não concordar com tudo que ele apresenta, principalmente na pauta de economia, mas ele tem a grandeza de dizer o que está em risco no Brasil”, afirmou a senadora durante a entrevista.

Na semana passada, o pedetista voltou a dizer que persistirá no diálogo com o União Brasil e o PSD. Segundo ele, o obstáculo, que era ter o ex-juiz Sérgio Moro (União Brasil) na corrida eleitoral, está superado, o que abre caminho para as conversas com outros partidos.

Post Anterior

"Não podemos admitir que alguém interfira no destino da nação", diz Bolsonaro

Próximo Post

Galeria celular construída na Avenida NS-03 em Palmas já dá passagem ao córrego Sussuapara