Home»Destaque»Palmas 33 anos: O nascimento da mais nova capital do País ; Por Júnior Batista

Palmas 33 anos: O nascimento da mais nova capital do País ; Por Júnior Batista

Atualizada em: 20/05/2022 06:48

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+
O dia 19 de maio de 1989 teve sem dúvidas, uma das mais longas noites vividas pelo povo tocantinense. De um lado, o sonho, a esperança, a expectativa do amanhã. De outro, a incerteza, a desconfiança, a torcida contraria. Em meio à escuridão da noite estava Palmas, a Capital prometida. O então governador Siqueira Campos bradava com tudo e todos para não deixar nada faltar. Por dentro, não se cabia de felicidade, afinal, sob o seu comando, estava nascendo no meio do cerrado, a última cidade planejada do século.
Na data de 20 de maio dia festivo que marcou o lançamento da pedra fundamental e o inicio das obras, no raiar do sol, as mãos hábeis de Arnildo Gaúcho faziam o recorte final na madeira que formaria o cruzeiro, o marco nº 1 de onde brotaria a cidade de Palmas. Pouco a pouco as pessoas foram chegando, vindos de todos os lados, de todos os jeitos. De avião (improvisou-se uma pequena pista), de caminhão, de pé e na garupa de cavalos.
Sonhadores e curiosos foram sem juntando, ouviram músicas, discursos e a benção de Dom Celso Pereira, bispo de Porto Nacional. 
IMPROVISO
Um sol quente, nada de sombra, pouca água, pouquíssimos refrigerantes e a comida mais rara ainda. É que tinha muito mais gente do que o esperado. O que tinha muito era alegria de sobra e a poeira também  calcula-se que teve umas dez mil pessoas. Gente de toda parte do estado. Muito seque sabia o que acontecendo, estava talvez por curiosidade ou movidos ansiedade.
Inspirado no “Catetinho” que Juscelino Kubstichek fez na construção de Brasília, o então governador Siqueira Campos também mandou construir o “Palacinho”, em um dos “morrinhos” de Palma. Tudo aqui era em cima de um morro. O Palacinho, a assembleia, o Palácio Araguaia. A sede da Prefeitura uma casa rústica. 
PRESSÂO
As pressões políticas de Araguaína, Porto Nacional e Miracema para inviabilizar Palmas, obrigaram o Governo a apressar o passo. Construíram-se então prédios de cimento queimado e Madeirit, e todos os órgãos foram transferidos para Palmas.  O Palacinho abrigou o Governo a partir da mudança, em 1º de janeiro de 1990.  
A maioria dos servidores vinha de ônibus pela manhã e voltava ao entardecer. Uma pequena parte ficava em Palmas, abrigada de forma improvisada, dormindo em colchoes “finíssimos” e sobre as próprias mesas de trabalho.
O terminal rodoviário de antes é um bom espelho da improvisação vivida pela comunidade. Poeira ou lama, não tinha muita importância. O Palmense enfrentava tudo.
Ver a imagem de origem
Ver a imagem de origem
Professor Júnior Batista é um dos pioneiros de Palmas
Post Anterior

Governo do Tocantins prestigia posse de nova desembargadora no Tribunal de Justiça

Próximo Post

Bolsonaro tem encontro com Musk em hotel nesta sexta (20), em SP