0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 10/11/2020 18:53

O plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins (Aleto) aprovou na sessão desta terça-feira, 10, projeto de lei de conversão originário da Medida Provisória (MP) nº 12/2020, que trata de indenização aos integrantes da Polícia Civil por jornada extra de trabalho por cumulação de responsabilidade administrativa.

Com as alterações propostas pelos deputados Valdemar Júnior (MDB) e Olyntho Neto (PSDB), a MP foi convertida em projeto e estabeleceu prazo até 31 de dezembro deste ano para pagamento da remuneração adicional aos policiais civis. Na proposta original do Governo, a indenização era concedida por prazo indeterminado.

Mesa Diretora da Assembleia. Foto: Elmer Graff.

São contemplados com a remuneração adicional integrantes da carreira jurídica de delegado de polícia, agente de polícia, escrivão, agente de necrotomia, papiloscopista e perito oficial da Polícia Civil. A indenização de que trata a proposta não é incorporada ao subsídio nem gera obrigação previdenciária.

Para Valdemar Júnior, autor do parecer que sugeriu a modificação da proposta, o estabelecimento de validade para o benefício tem o objetivo de indenizar os policiais que acumulam responsabilidade em mais de uma delegacia, com o propósito de sanar o déficit de policiais no interior.

“Não é necessário conceder um prazo permanente para essa indenização, pois o Governo deve sanar em breve essa questão por meio de concurso e contratar novos policiais”, destacou o parlamentar.

Já o deputado Zé Roberto (PT), único a votar contra, diz que considera desnecessário o benefício. “É um absurdo conceder indenização de R$ 5 mil a servidores que já são bem remunerados e recebem o teto salarial, principalmente em tempos de crise na economia”, justificou.

O deputado Júnior Geo (PROS) defendeu a indenização aos policiais, de forma permanente, e acrescentou que a remuneração adicional é um direito dos servidores devido à realização de serviços extras.

Post Anterior

Promotores de Justiça recomendam retorno das aulas presenciais nas escolas particulares de educação básica de Palmas

Próximo Post

Candidato Tiago tem divulgação de pesquisa eleitoral irregular suspensa

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *