0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 11/09/2019 18:03

Espécie de sempre-viva da família Eriocaulaceae (Syngonanthus nitens Ruhland), o capim dourado ocorre em campos úmidos próximos a veredas do Cerrado, mas as peças artesanais só se tornaram famosas a partir do trabalho das artesãs do Jalapão, em especial do povoado Mumbuca, distante 32 km de Mateiros, em pleno Parque Estadual do Jalapão. Com o objetivo de garantir sua preservação e manejo, a colheita é permitida somente entre os meses de setembro e novembro. Para marcar o início da atividade, a Festa da Colheita do Capim Dourado, que chega a sua 11ª edição, tem programação a partir desta quarta, 11, até domingo, 15, na comunidade.

Realizada pela Associação dos Artesãos do Povoado Mumbuca, a programação terá vários momentos, entre eles intercâmbio de visitantes com a comunidade, exibição do filme O outro fogo, de Guilherme Fagundes, roda de conversa sobre plantas medicinais, Feira Sabores Jalapoeiros, reunião sobre turismo na região, com participação de associações, prefeituras, órgãos federais e estaduais.

Foto: Esequias Araújo

A Agência do Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc) é representada pela superintendente de Turismo, Maria Antonia Valadares, e pela gerente de Acervos e Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural Alline Alves Santos da Silva.

“O capim dourado, que é um recurso finito, é a principal fonte de renda das comunidades da região do Jalapão, por isso apoiamos todas as ações voltadas para a sua exploração sustentável, bem como desenvolvemos projetos de qualificação dos artesãos, e de valorização e difusão do turismo na região”, explica o presidente da Adetuc, Tom Lyra, enfatizando que uma das prioridades do governador Mauro Carlesse é a melhoria na infraestrutura dos municípios do Jalapão.

Viola de Buriti

Durante a Festa da Colheita, também será realizado o I Encontro de Violeiros para a Salvaguarda da Viola de Buriti. A programação ocorre nos dias 13 e 14, sexta e sábado, sob a organização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional (Iphan) com o apoio da Associação Tocantinense de Municípios (ATM) e do Governo do Estado do Tocantins.

Conforme o Iphan, o Encontro de Violeiros reunirá cerca de 30 pesquisadores, foliões, artistas populares, tocadores, artesãos, violeiros, cantores e músicos, com a intenção de  propiciar o intercâmbio de saberes, discutir ações para a salvaguarda e fortalecer esse bem cultural tocantinense que ainda não está protegido.

Post Anterior

Manancial; Deputados e produtores rurais discutem uso das águas do Rio Formoso na agricultura

Próximo Post

A própria filha; Polícia Civil prende suspeito de estupro em Pedro Afonso