Home»Destaque»Operação Sossego Público – Polícia Militar em Tocantinópolis prende duas pessoas por pertubação

Operação Sossego Público – Polícia Militar em Tocantinópolis prende duas pessoas por pertubação

Atualizada em: 17/07/2018 10:46

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

A operação Sossego Público, foi realizada neste final de semana, 13 e 14, em Tocantinópolis e região. De acordo com o Major Reis, comandante da 5ª CIPM – Companhia Independente de Polícia Militar, a operação teve como objetivo o policiamento ostensivo, preventivo e repressivo, para evitar a pertubação do sossego. “Com a realização de bloqueios, abordagens e buscas em pessoas e veículos, em pontos estratégicos, visamos coibir infrações criminais relativas, principalmente, à contravenção penal de Perturbação do Sossego Público, bem como a infração administrativa de trânsito relativa à Equipamento Sonoro Irregular”, disse.

Previstas nos Art. 42 da Lei das Contravenções Penais – Decreto Lei nº 3688/41, e no art. 228 do Código de Trânsito Brasileiro – Lei nº Lei nº 9.605/98, combinada com a Resolução 624/2016, com vistas à preservação da ordem pública, nos termos do artigo 144 da Constituição Federal de 1988, a PM disponibilizou mais homens nas ruas a fim de que o trabalho garantisse a ordem e a manutenção do sossego público. Ainda segundo o comandante, esse trabalho que já vem sendo realizado frequentemente pela 5ª CIPM, em todas as cidades que compõem a área de atendimento. 

As equipes abordaram 33 veículos e 26 pessoas suspeitas. Foram expedidos 12 autos de infração, 04 veículos removidos ao pátio da PM, por estarem em desacordo com as normas do código de trânsito e 02 conduções à Delegacia de Polícia Civil em razão da contravenção penal de perturbação do Sossego Público.

Foto: PM TO
Post Anterior

Polícia civil deve investigar a origem da granada que foi encontrada dentro de uma residência na Capital

Próximo Post

Paciente é derrubada de maca em Hospital Regional de Araguaína, perde parte do movimento do ombro e é indenizada em R$ 5 mil; Governo do Estado deve pagar a indenização