0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 17/09/2020 17:21

A  1ª Divisão Especializada de Repressão a Narcóticos (1ª Denarc), de Palmas, deflagrou, nas primeiras horas desta quinta-feira, 17, a operação Jericó.

Realizada em parceria com o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado do Tocantins (MPE-TO), a ação resultou na apreensão de várias porções de substâncias entorpecentes que estavam armazenadas em uma residência localizada no Jardim Aureny III, na região sul da Capital. Ainda durante a ação policial, foi preso em flagrante por tráfico de drogas um homem que seria ligado a uma facção criminosa que atua no Tocantins.

De acordo com o delegado-chefe da Denarc, Enio Walcácer de Oliveira Filho, a ação é um desdobramento da operação Hidra de Lerna, desencadeada pela Denarc e pelo Gaeco nas últimas semanas, em Palmas, e que já culminou na prisão de vários traficantes e na apreensão de vários quilos de drogas.

Segundo o delegado, as investigações têm sido realizadas com base em informações apuradas pelas equipes da Divisão Especializada, de que agentes externos ao presídio, estariam sendo cooptados por líderes de organizações criminosas e associações voltadas para o tráfico e que se encontram presos na Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP).

O Delegado relata que, com o aprofundamento das investigações realizadas em decorrência das prisões feitas pela Denarc nas últimas semanas, os policiais civis descobriram que as drogas estariam armazenadas em um ponto situado Jardim Aureny III, em Palmas, em uma residência identificada pelos altos muros que possui.

A equipe da Denarc passou a monitorar o local e constatou a veracidade das informações, sendo localizado no endereço aproximadamente 1,5 kg de cocaína pura e 400 gramas de skunk. Grande parte da droga já se encontrava separada em pequenas porções e prontas para venda.

As investigações ainda indicaram que as drogas estavam sendo armazenadas por uma pessoa, que teria sido aliciada por traficantes presos na CPPP, que conseguem, de dentro da prisão, oferecer vantagens a pessoas para que armazenem as drogas, dificultando a ação da polícia.

Porções de drogas apreendidas pela Denarc em Palmas. Foto: SSP/Governo do Tocantins.

Ao ser preso pela Polícia Civil, o indivíduo flagrado com o entorpecente e autuado por tráfico de drogas informou que receberia R$ 1.500 pelas drogas guardadas e que deveria apenas mantê-las em segurança para então receber os valores. Contudo, a ação policial foi mais rápida, permitindo a interceptação das drogas e a prisão do agente cooptado pelo tráfico de drogas.

Para o Delegado, os resultados obtidos, por meio da operação Jericó, demonstram o empenho e a dedicação da Polícia Civil do Tocantins no combate ao tráfico de drogas, que tanto mal causa para as famílias e a sociedade tocantinense como um todo. “Nossas ações têm sido pautadas para erradicar o tráfico de substâncias entorpecentes, porque sabemos que, por meio desse tipo de crime, outros delitos são praticados, como furtos, roubos e homicídios. Nesse sentido, a PC não medirá esforços com o objetivo de investigar e mapear pontos de venda e distribuição de drogas e também identificar e prender aqueles que ainda se valem desse expediente criminoso”, ressaltou Ênio Walcácer.

A 1ª Denarc é uma divisão vinculada à Diretoria de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco) da Polícia Civil do Tocantins.

Operação Jericó

A operação foi batizada de Jericó em alusão à passagem bíblica que relata as muralhas da cidade de Jericó, em virtude dos altos muros da casa em que a droga estava escondida, o que dificultou a ação policial.

Post Anterior

Hospital Regional de Gurupi passa a contar com 16 leitos de UTI Covid

Próximo Post

Tropas do 22º Batalhão de Infantaria do Exército são enviadas para combater focos de incêndios no Parque Estadual do Cantão