0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 14/07/2021 15:14

A cientista-chefe da OMS (Organização Mundial da Saúde) desaconselhou nesta segunda-feira, 12, que as pessoas misturem e combinem vacinas contra Covid-19 de fabricantes diferentes, dizendo se tratar de uma “tendência perigosa” porque é preciso ter mais dados sobre o impacto na saúde.

“Esta é uma tendência um pouco perigosa”, disse Soumya Swaminathan em uma entrevista coletiva virtual. “Será uma situação caótica nos países se os cidadãos começarem a decidir quando e onde tomarão uma segunda, uma terceira e uma quarta dose.”

Foto: Divulgação.

Também ontem, Swaminathan qualificou a mistura como uma “zona ausente de dados”, mas hoje (13) a OMS esclareceu que alguns dados estão disponíveis e que mais são esperados.

Em junho, seu Grupo de Especialistas de Aconselhamento Estratégico para vacinas disse que a vacina da Pfizer poderia ser usada como uma segunda dose após uma dose inicial de AstraZeneca se esta não estiver disponível.

Um teste clínico adicional liderado pela Universidade de Oxford que estudará a mistura da vacina da AstraZeneca com a Pfizer, assim com a da Moderna com a Novovax, está em andamento.

“Dados de estudos de mistura e combinação de vacinas diferentes são esperados  a imunogenicidade e a segurança precisam ser avaliadas”, disse a OMS em comentários enviados por email.

As agências de saúde pública deveriam tomar decisões com base nos dados disponíveis, e não indivíduos, acrescentou a OMS. Fonte Reuters

Post Anterior

Tocantins contabiliza 438 novos casos confirmados da Covid-19

Próximo Post

Bilionários brasileiros perdem US$ 7 bilhões em julho