0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 17/08/2018 08:35

Sinto-me obrigada a começar com uma explicação para este título um tanto quanto peculiar. Bem, o homem de uma calça só, é realmente um homem que tem uma calça apenas, porque segundo ele, já que a utiliza apenas esporadicamente, não há necessidade de duas calças. Uma nova calça apenas quando a velha chegar ao fim.

O homem de uma calça só, é o ser mais original que eu conheço. Ele acorda bem cedo e vai ouvir música instrumental, samba ou rock, ou até assistir um filme bem gênero Stephen King para começar bem o dia. Ele possui uma linda coleção de vinis em um canto secreto da estante e só os mostra pra quem ele realmente sente confiança. Junto dessa coleção que abriga discos raros como os dos Beatles, Pink Floyd e até um de tema de novela com a Maitê Proença na capa, ele tem bolsas de diversos CD’s que substituíram suas fitas cassetes, e mesmo os tendo substituído pelo HD, ainda guarda tudo com muito cuidado.

Se você senta ao lado dele e for falar de qualquer assunto, ele saberá lhe abrigar numa conversa agradável e inteligente. Ele sabe curiosidades sobre música, filmes, livros, grandes gênios e até o homem da barraquinha da feira.  Ele também sabe discutir sobre o que está passando no jornal do almoço, sobre as loucuras do Bear Grylls e toda a imensidão do conteúdo da Discovery Channel. 

Se você vai comprar um carro, um remédio para as plantas ou quer apenas uma sugestão de decoração para a sala de estar, ele saberá te dar uma boa recomendação.

Quando eu era criança, me lembro nitidamente deste homem me ensinando as tarefas da escola quando já estava na hora dele estar dormindo, e eu mais ainda. O primeiro diário que eu tive, foi ele quem me ajudou a começar a escrever a primeira página, porque eu não sabia o que escrever em um diário, mesmo sendo uma criança de 7 anos com tantas aventuras para contar. Quando ele deu meu primeiro relógio, toda hora eu perguntava a ele quantas horas eram, pra ter certeza que nossos ponteiros estavam no mesmo lugar. Ele também me ensinou a andar de bicicleta e soltou o guidão quando viu que eu estava pronta.

Desde pequena, eu olhava pra cima e via aquele grande homem e achava ele tão incrível, e na minha ingenuidade de criança nem sabia ainda o motivo. Sempre me senti feliz quando as pessoas diziam: “menina, você é a cara do seu pai!”. Mais do que ter os olhos grandes como o dele, eu queria mesmo era ser como ele, o homem que sempre conseguia me fazer acreditar que tudo estava bem, mesmo nem estando, ele sempre firme e forte, como um verdadeiro super-herói. Ele me acompanhou no meu primeiro dia de aula e viu quando eu achei que o mundo estivesse desmoronando no momento em que minha lancheira abriu e meu lanche caiu no chão, ele abaixou, colocou o lanche de volta, pegou na minha mão e disse: “viu? Está tudo bem, calma!”. E eu passei a minha vida vendo-o “pegar na minha mão”, na adolescência, na faculdade, quando eu saí de casa, ele sempre estava lá para dizer que tudo iria ficar bem, e não é que sempre ficou! Ele sempre teve razão sobre tudo. Se alguém me perguntar qual pessoa eu mais admiro no mundo, a primeira pessoa que me vem à mente é ele, antes mesmo do cronômetro começar a contar o tempo para a resposta.

Cresci, amadureci e continuo o vendo com toda aquela grandeza que eu via quando era criança. Olho pra ele e vejo muita generosidade e caráter, e uma originalidade que faria falta ao mundo, aliás, o que dizer de um homem que decide durante uma sessão de cinema colocar o nome de uma das suas personagens de sua série favorita em sua filha?

Os heróis salvam o mundo com todas aquelas armaduras coloridas e resistentes, o meu super-herói faz tudo isso sem nenhuma armadura, já que ele necessita de apenas uma calça, e eu sortuda que sou, posso chamá-lo por um nome pequeno e simples: Pai!  

Post Anterior

Governo prorroga até dezembro jornada de seis horas para servidor estadual

Próximo Post

No silêncio da madrugada: Veículo furtado é incendiado e Corpo de Bombeiros apaga fogo