0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 27/04/2022 20:29

O presidente Jair Bolsonaro (PL), declarou, nesta quarta-feira (27), que não é necessário o voto impresso para a garantia da lisura nas eleições de 2022 desde que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adote as medidas solicitadas pelas Forças Armadas para validar e contar votos no pleito deste ano, caso o sistema eletrônico falhe.

Bolsonaro fez a declaração durante um evento denominado Ato Cívico pela Liberdade de Expressão, junto com parlamentares de sua base de apoio no Palácio do Planalto, em Brasília.

“A gente espera que, nos próximos dias, o Tribunal Superior Eleitoral dê uma resposta às sugestões das Forças Armadas. Porque eles nos convidaram. Nós aceitamos, estamos colaborando com o melhor do que existe entre nós e essas sugestões todas foram técnicas. Não se fala ali de voto impresso, não precisamos de voto impresso para garantir a lisura das eleições”, afirma Bolsonaro.

A informação consta no “Plano de Ação para a Ampliação da Transparência do Processo Eleitoral”, documento com 81 páginas com as contribuições dos integrantes do Comitê de Transparência Eleitoral, colegiado composto por representantes, dentre outros, da Polícia Federal, OAB, academia e Forças Armadas com o objetivo de aperfeiçoar o sistema eleitoral.

O chefe do Executivo alega ser necessário ter alguma maneira para confiar nas eleições, e cita uma das medidas, pedindo para que as Forças Armadas também tenham acesso à contagem de votos.

“Precisamos de uma maneira, e nessas nove sugestões, existe uma maneira de a gente confiar nas eleições. Uma das sugestões das Forças Armadas, não tem nada a ver com sigilo das eleições, é que, no final, quando se encerram as eleições, e os dados vêm da internet para cá, tem um cabo no final que alimenta a sala secreta do Tribunal Superior Eleitoral – dá para acreditar nisso? Sala secreta? Onde meia dúzia de técnicos dizem ali no final: ‘olha, quem ganhou foi esse’”, disse Bolsonaro.

“Uma das sugestões é que esse mesmo duto que alimenta a sala secreta, os computadores, seja feita uma ramificação, um pouco à direita, para que temos, ao lado, um computador também das Forças Armadas para contar os votos do Brasil”, concluiu.

Em agosto do ano passado, houve a rejeição da  Proposta de Emenda à Constituição 135/19, conhecida como PEC do voto impresso, na Câmara dos Deputados. A medida era amplamente defendida por Bolsonaro.

“Trazer para dentro das quatro linhas da Constituição”

Bolsonaro ainda alegou que alguns ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) “estão mandando e desmandando no Brasil” e que “não podemos criticá-los”.

Citando o ex-deputado Ulysses Guimarães, proclamou que “a Constituição poderia criticada e emendada, mas descumprida, jamais”.

Ainda teria falado com seus ministros que “nós temos jogado dentro das quatro linhas” da Constituição, e “quem estiver jogando fora das quatro linhas, é nossa obrigação trazê-los para dentro das quatro linhas.”

Post Anterior

Bolsonaro diz que recebeu “informes” sobre possível prisão de Carluxo

Próximo Post

STF nega pedido para que Lula não se aproxime do Congresso