0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 27/07/2021 14:02

A Promotora de Justiça Araína Cesárea D’Alessandro, titular da 27ª Promotoria de Justiça da Capital, participou na tarde desta segunda-feira, 26, de audiência para discutir o possível retorno dos acompanhantes nas maternidades públicas do Estado, suspenso desde abril de 2020, por força de um memorando da Secretaria Estadual de Saúde, em razão da pandemia da Covid-19.

A demanda encontra-se judicializada por meio de uma Ação Civil Pública, proposta pela Defensoria Pública do Estado, que questiona a legalidade da medida. O Ministério Público do Tocantins vem acompanhando o caso como fiscal da lei e cobrou do Estado a apresentação de Plano de Retomada e Avaliação de Riscos Sanitários, nas três maiores maternidades públicas do Tocantins, localizadas em Palmas, Gurupi e Araguaína.

Audiência. Foto: Divulgação.

Na audiência, Araína Cesárea fez referência à Nota Técnica do Ministério da Saúde para autorização do acompanhante da gestante, salientou que o Estado teve mais de um ano para promover medidas de segurança que viabilizassem a revogação das restrições e garantissem o direito legal das grávidas de serem acompanhadas no momento do parto, no entanto, até o momento, o ente mantém-se inerte. “Desse modo, entende-se que a restrição ao direito da parturiente em ter um acompanhante durante o parto é ilegal, desproporcional, tendo em vista a possibilidade de adoção de medidas de proteção e segurança contra a Covid-19, como realização de testes, análise de sintomas e paramentação do acompanhante com os Equipamentos de Proteção Individuais adequados”.

Com estas considerações, a promotora de Justiça posicionou-se pela suspensão do memorando, restabelecendo o direito do acompanhante, mediante a adoção de medidas necessárias de higienização e esterilização, dentre outras, que permitam à parturiente e ao acompanhante ficarem no mesmo ambiente.

Diante da não apresentação do plano de retomada dos acompanhantes, a promotora de Justiça pediu a oitiva dos representantes das três maiores maternidades do estado e também a elaboração de um relatório pelo Conselho Regional de Psicologia sobre sequelas psicológicas e aumento da violência obstétrica, que deve ser apresentado no dia 29 de julho, data da próxima audiência.

A audiência foi presidida pelo juiz da Vara de Execuções Fiscais e Saúde de Palmas,  Gil de Araújo Corrêa, e contou com a presença da promotora de Justiça Araína Cesárea D’Alessandro, das defensoras públicas Kênia Martins e Luciana Costa, além de representantes do Estado ligados à área da saúde.

Post Anterior

Prazo para agendamento da entrega de documentos para vistoria de táxis termina nesta sexta, 30

Próximo Post

Governo do Tocantins moderniza gestão da frota de veículos oficiais