Home»Destaque»Morte de militar: Segurança Pública diz que PM reagiu à abordagem dos policiais civis

Morte de militar: Segurança Pública diz que PM reagiu à abordagem dos policiais civis

Atualizada em: 27/04/2018 11:56

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

Em nota enviada à imprensa, a Secretaria da Segurança Pública do Tocantins se manifestou sobre o episódio que resultou na morte do sargento José Maria Rodrigues Amorim, na noite desta quinta-feira, 26, em Taquaralto.

Segundo a Polícia Civil, por volta de 23h35, a equipe da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa(DHPP), após solicitar reforço policial na 5ª Delegacia de Polícia Civil, que fica próxima ao bar, foi “diligenciar sobre ocorrência de tentativa de homicídio com uso de arma de fogo na localidade, deparou-se, no trajeto, com cidadão armado, visivelmente sob a influência de álcool, ao lado de veículo com som automotivo acima do permissivo legal, ao que solicitou, ainda no interior da viatura, que o mesmo reduzisse o volume da aparelhagem sonora”.

Bar onde episódio foi registrado fica em Taquaralto. Foto: Divulgação

A nota destaca que o sargento “reagiu fazendo demonstração de sua arma de fogo, momento em que um delegado e dois agentes de polícia, que formavam a equipe, saíram do veículo para sua abordagem, apresentando-se como policiais e verbalizando para que a arma fosse colocada ao chão”.

O policial militar teria sacado a própria arma e apontado para os policiais civis, continua a nota. “Visando a preservação da integridade física, a própria vida e a dos colegas, foram efetuados quatro disparos, por policiais distintos, três deles atingindo perna, braço e abdômen, sendo, imediatamente, acionado o Sistema Integrado de Operações Policiais – SIOP e o Corpo de Bombeiros da Capital”. 

Testemunhas oculares foram ouvidas, ainda, durante a madrugada, pela delegada plantonista da Central de Atendimento da Polícia Civil, na região Sul, na presença de oficiais da Polícia Militar, que também efetuaram perguntas aos declarantes.

Segundo a PC/TO, “todos os participantes da missão estão sendo ouvidos pela Corregedoria-Geral do órgão, após apresentação espontânea de suas armas. A arma do policial militar também foi recolhida, para submissão à exame pericial”. 

Por fim, a nota informa que ” a Polícia Civil lamenta o falecimento do membro da instituição co-irmã e declara ter instaurado inquérito para investigação do ocorrido, junto à Corregedoria-Geral, com os policiais civis permanecendo à disposição do órgão, até a finalização do procedimento”. 

Post Anterior

Morre militar baleado por delegado em Taquaralto: Associação de PMs cobra investigação de entidades

Próximo Post

Eleições suplementares: saiba os prazos que terminam hoje, 27