0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 10/05/2022 08:26

Membros da equipe econômica de Lula têm sido abordados por interessados de países vizinhos, curiosos para entender como funcionaria a tal proposta de criação de uma moeda única mencionada pelo petista.

A explicação é que a ideia não se assemelha às hipóteses já levantadas pelo ministro de Bolsonaro, Paulo Guedes, que no começo do governo apareceram na forma de uma moeda única para integração comercial com a Argentina, que seria o peso-real, a exemplo da Europa, para desembocar em moeda comum no futuro.

Tampouco seria algo parecido com o euro, porque não se trata de uma moeda comum a ser adotada obrigatoriamente pelos países, eliminando as moedas nacionais. A avaliação é que esse modelo atrapalha a autonomia das políticas monetárias.

A proposta estudada no entorno de Lula, que já foi introduzida em artigo no jornal Folha de S.Paulo escrito pelo ex-prefeito Fernando Haddad com o economista Gabriel Galípolo, seria afastar o protagonismo do dólar nas relações econômicas entre os países da América do Sul, criando uma moeda específica para o comércio entre eles.

As bases do projeto viriam, na história econômica, da versão de Keynes sobre uma moeda internacional na nova arquitetura do pós-Segunda Guerra.

Para quem acompanha os estudos no PT, a medida poderia impulsionar as relações comerciais na região em um momento em que as cadeias produtivas enfrentam rupturas provocadas pela pandemia e pela guerra da Ucrânia.

Post Anterior

Chelsea será vendido por R$ 15 bilhões, o 2º maior valor já pago por um time esportivo

Próximo Post

Polícia Federal revela a trama bolsonarista contra as urnas