0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 03/07/2020 18:28

Pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 02, pelo Ministério da Saúde indica que cerca de 4% dos brasileiros já desenvolveram anticorpos contra o novo coronavírus – ou seja, essa parcela da população foi infectada em algum momento. O estudo também aponta que 91% dos infectados desenvolvem algum sintoma, ainda que leve.

Foram testadas 89.397 pessoas em 133 cidades, de 14 de maio a 24 de junho, ao longo de 3 etapas. Eis a íntegra (1 MB) dos dados do estudo, denominado “Epicovid-19”.

A pesquisa foi coordenada pela Ufpel (Universidade Federal de Pelotas) e aplicada pelo Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística), a domicílio. O Ministério da Saúde financiou o estudo, que foi orçado em R$ 12 milhões –dos quais R$ 9,975 milhões cabem ao Ibope.

O objetivo, entre outros, era aferir a porcentagem de brasileiros com anticorpos contra o novo coronavírus –que  já infectou 1,49 milhão de pessoas no país, de acordo com os dados divulgados também nesta 5ª feira.

Para tanto, foram aplicados os testes sorológicos, também conhecidos como “testes rápidos”. Eles são realizados a partir de uma amostra de sangue recolhida por punção digital e ficam prontos em cerca de 15 minutos. Esse tipo de teste é mais indicado a partir do 7º dia que o paciente demonstrou sintomas.

O Epicovid-19 usou testes da marca chinesa Wondfo. De acordo com os organizadores, a sensibilidade é de 85%. Ou seja, a chance de falso negativo é de 15%.

ANTICORPOS E RITMO DE CONTÁGIO

Os pesquisadores destacam que o número de pessoas já infectadas pelo coronavírus saltou 53% da 1ª para a 2ª etapa. Já da 2ª para a 3ª, o acréscimo foi de 23%.

A desaceleração nesse indicador pode ser um indicativo que a doença está se espalhando em um ritmo mais lento.

Contudo, a média semanal de novos casos, com base nos dados do Ministério da Saúde, mantém uma curva ascendente:

QUANTIDADE DE CASOS E LETALIDADE

O estudo indica ainda que o número real de casos pode ser até 7 vezes o reportado pelo Ministério da Saúde. De acordo com Pedro Hallal, professor da Ufpel e 1 dos coordenadores do estudo, a diferença não se trata de “subnotificação”:

“Não há motivo algum para imaginar que o sistema de vigilância deveria captar uma pessoa que teve exposição ao vírus e produziu anticorpos, sem ter nenhum sintoma. Então nós não chamamos isso de subnotificação”, argumentou o professor.

Ele também frisou que a proporção se refere aos 133 municípios englobados na pesquisa e que o mesmo cálculo não pode ser aplicado diretamente ao número nacional de diagnósticos.

A pesquisa indica ainda uma taxa de letalidade de 1,15%, aproximadamente. Hallal ressalta que a porcentagem varia de acordo com a faixa etária e a fatores de risco do paciente.

Mas, em média, a conclusão é que 1 a cada 100 infectados morre por covid-19 no Brasil.

SINTOMAS

Apenas 9% das pessoas que desenvolveram anticorpos não sentiram nenhum sintoma da doença. Contudo, Hallal disse que os outros 91% não necessariamente precisarão de cuidados médicos.

Eis os sintomas mais frequentes da doença, pela porcentagem das pessoas que tinham anticorpos.

Perda de Ofato e Paladar                    62,9%

Dor de cabeça                                       62,2%

Febre                                                      56,2%

Tosse                                                       53,1%

Dor no corpo                                           52,3%

Dor de Garganta                                     35,1%

Diarreia                                                    29,3%

Dificuldade de respirar                          26,9%

Tremedeira                                              26,2%

Palpitação                                                23,1%

Vômito                                                      10,3% 

SEXO, IDADE E CLASSE SOCIAL

A pesquisa indica que pessoas podem contrair covid-19 independente do sexo e da idade. De acordo com Hallal, o que muda em cada circunstância é a gravidade dos sintomas manifestados.

O boletim  mais recente do Ministério da Saúde indica que 71,4% das pessoas que morreram pela doença tinham mais de 60 anos.

Há, porém, uma distinção nas classes sociais: a covid-19 infecta mais pobres do que ricos.

A porcentagem entre os mais pobres,  foi mais que o dobro da taxa entre os mais ricos.

 Hallal aponta que famílias mais numerosas em menor espaço podem ser 1 dos fatores para esse contraste.

O estudo analisou, inclusive, a taxa de contágio domiciliar.

Quando uma pessoa tinha diagnóstico confirmado para covid-19 durante a entrevista do Ibope, os outros residentes também eram testados. Em 39% dos casos, o resultado também retornou positivo.

ISOLAMENTO SOCIAL

A pesquisa também avaliou a adesão dos brasileiros às medidas de isolamento social, independente se já tinham sido infectados ou não pelo coronavírus.

A porcentagem de pessoas que só saía de casa para atividades essenciais caiu 2 pontos percentuais do início ao fim do estudo, mas ainda se manteve como a maioria dos entrevistados.

CONTROVÉRSIAS

As autoridades de alguns municípios resistiram à realização da pesquisa na 1ª etapa, com a prisão de alguns entrevistadores e destruição de kits de testes. Depois do início da pesquisa, 2 entrevistadores foram diagnosticados com covid-19 e outro teve resultado inconclusivo.

Segundo Hallal, as dificuldades foram superadas e não prejudicaram a pesquisa: “As cidades se mantiveram na amostra, os problemas foram superados e tanto a 1ª quanto a 2ª fase já tiveram mais de 30.000 das 33.000 entrevistas e testes previstos”, afirmou.

Os organizadores acrescentam que os dados serão desdobrados em novas análises ao longo das próximas semanas. Leia a análise do Poder360 sobre a testagem em massa aplicada pelo Ibope.

Élcio Franco, secretário-executivo do Ministério da Saúde, afirmou que existe a possibilidade de que novas etapas de testagem sejam realizadas. Ele também declarou que o estudo irá balizar a elaboração de políticas públicas no combate à epidemia no país. Fonte: Ministério da Saúde/Congresso em Foco 

Post Anterior

Com digitalização de salas de aula, pandemia acentua exclusão escolar

Próximo Post

Tocantins registra mais de 12 mil casos confirmados em 122 municípios