Home»Destaque»Lula insiste com emedebistas, mas partido não deve rifar Tebet.

Lula insiste com emedebistas, mas partido não deve rifar Tebet.

Atualizada em: 18/07/2022 10:46

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) reúne-se nesta 2ª feira (18.jul.2022) com caciques do MDB de 10 Estados para selar o apoio mútuo nas eleições deste ano.

Apesar da aproximação do petista com parcela importante do MDB, integrantes da cúpula do partido e mesmo emedebistas que apoiam Lula afirmam ser improvável que a sigla rife a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

Ela deve ser confirmada como candidata do MDB à Presidência da República no dia 27 deste mês, na convenção nacional da legenda. O evento será realizado remotamente.

Com o grupo dissidente apoiando Lula, a congressista deverá ficar sem palanque ou o terá dividido em 1/3 das unidades da Federação, principalmente no Norte e no Nordeste.

PT e MDB já definiram acordos no Amazonas, Pará, Maranhão, Rio Grande do Norte, Piauí, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Ceará e Paraíba.

Lula tem feito investidas sobre os emedebistas para tentar ter o apoio do partido ainda no 1º turno. Se bem-sucedido, o petista terá mais tempo para fazer propaganda na TV.

A ofensiva esbarra, no entanto, em resistências internas no MDB. A sigla também tem setores bolsonaristas. Apoiar Lula ou Jair Bolsonaro (PL) faria a legenda rachar.

O presidente do partido, o deputado Baleia Rossi (SP), e o ex-presidente Michel Temer rejeitam a aproximação com o PT e são os principais fiadores da candidatura de Tebet.

Temer, que foi vice da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), sempre relembra a aliados que petistas o tratam como golpista por causa do impeachment de Dilma. Desde então, não houve reaproximação.

Além disso, os apoiadores de Lula não têm força suficiente na cúpula do MDB para barrar a candidatura de Tebet e se aliar ao petista nacionalmente já no 1º turno.

Embora represente 1/3 dos diretórios estaduais emedebistas no país, o total de votos do grupo na convenção é menor que isso. As estruturas de cada Estado têm peso diferente na cúpula da legenda.

Portanto, os representantes dos 10 Estados não teriam condições de reverter o quadro na convenção. O MDB do Rio Grande do Sul, por exemplo, apoia a pré-candidatura de Tebet. O diretório gaúcho é o que tem mais votos na convenção, com 45.

Mesmo com a senadora sendo candidata a presidente, não deverá haver punição para emedebistas que apoiarem outro presidenciável. A cúpula do partido já havia liberado as campanhas estaduais a fecharem acordos locais.

Isso deve garantir a Tebet o apoio, na convenção, de diretórios lulistas, como o do MDB da Bahia.

Aliados de Baleia Rossi consideram que a reunião de um grupo do partido com Lula nesta 2ª feira é só uma forma de dar holofote para algo já contabilizado.

Mesmo com a atual pacificação em torno do lançamento da candidatura presidencial de Simone Tebet, aliados dela se mantém alertas com a pressão às vésperas da convenção partidária.

A dúvida é se, depois da conversa com Lula, os aliados do petista dentro do MDB manterão o clima atual ou voltarão a tensionar contra a candidatura da senadora.

Uma eventual saída de Simone Tebet da disputa poderia aumentar as chances de Lula vencer a eleição no 1º turno, em 2 de outubro.

Uma parte dos votos da senadora poderia migrar para o ex-presidente. Mesmo a eventual abstenção de uma parcela dos eleitores de Tebet poderia ser benéfica para o petista para ganhar no 1º turno, um candidato precisa ter mais votos do que todos os adversários somados.

O PT faz essa avaliação mesmo com o baixo percentual de intenção de voto que a senadora vem tendo nas pesquisas.

Em levantamentos recente mostra Simone Tebet com 3% para o 1º turno. Lula tem 44% e Bolsonaro, 36%.

Por isso, o principal efeito macropolítico da manutenção da candidatura de Tebet é diminuir as chances de Lula vencer no 1º turno. Quanto menos candidatos na disputa, maiores são as chances de quem está liderando conseguir obter 50% dos votos mais um para uma vitória na 1ª votação.

Petistas devem usar o argumento de que Jair Bolsonaro se beneficia da candidatura da senadora para aumentar a pressão sobre o MDB.

O encontro entre Lula e os emedebistas que o apoiam foi marcado após o ex-presidente se reunir com o senador Eduardo Braga (MDB-AM) na última 3ª feira (12.jul.2022) durante sua passagem por Brasília.

Na ocasião, o congressista afirmou que o ex-presidente irá apoiá-lo para o governo do Amazonas.

Devem comparecer à reunião, em São Paulo, emedebistas historicamente aliados ao PT, como os senadores Renan Calheiros (AL) e Marcelo Castro (PI), e o ex-senador Eunício Oliveira (CE).

A reunião desta 2ª feira não é a 1ª entre uma ala do MDB e Lula. Em abril, Eunício, ex-presidente do Senado, ofereceu um jantar ao ex-presidente em sua casa em Brasília. O encontro reuniu outros aliados do petista

Post Anterior

Skaf se diz traído por Bolsonaro em sua busca pelo Senado em SP

Próximo Post

“É o Flamengo contra o Bangu”, diz Bolsonaro sobre derrotar Lula.

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.