0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 23/06/2022 17:35

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu nesta quinta-feira (23) o “direito à defesa” como um “valor monumental da democracia” ao comentar a prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, mas criticou o ex-integrante do governo Bolsonaro por ter sido um “mau ministro da Educação”.

O petista também classificou as denúncias de negociações com pastores no Ministério da Educação (MEC) como uma “vergonha nacional”. As declarações foram feitas em entrevista à rádio Difusora do Amazonas.

“Eu acho que a prisão depende de apuração, depende de prova. Você não pode prender porque vai prender. Não. Você tem prova contra o cidadão? Está provado que ele roubou? Você faz um processo e daí a Justiça decide se vai prender ou não”, afirmou o ex-presidente.

Na entrevista, Lula defendeu o “direito à defesa para todo mundo”, mas criticou a gestão de Ribeiro no MEC. “O direito à defesa é um valor monumental da democracia neste país, e por isso eu não sei se foi investigado, se tem autorização de juiz para prender, mas que ele foi um mau ministro da Educação, foi”, disse.

O petista chamou de vergonhosos os encontros divulgados pela imprensa entre Ribeiro e pastores no ministério. “Aquela reunião dele distribuindo dinheiro para pastor é uma vergonha nacional”, afirmou.

O ex-ministro foi preso na quarta-feira (22) em uma operação da Polícia Federal (PF) que investiga a suspeita de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos no MEC. Ribeiro deve passar por uma audiência de custódia nesta quinta-feira.

Aborto em casos de estupro

Ainda durante a entrevista, Lula foi questionado sobre o que pensava sobre o direito ao aborto em casos de estupro. Segundo o ex-presidente, “a lei já garante que a vítima de estupro tem direito a fazer o aborto legalmente e protegido pela medicina brasileira”.

Em abril, o petista foi alvo de críticas de bolsonaristas e evangélicos por dizer que “todos deveriam ter direito ao aborto no Brasil”. Depois da repercussão da declaração, ele voltou a falar do tema e se disse “contra o aborto”. “Eu tenho cinco filhos, oito netos e uma bisneta. Eu sou contra o aborto. O que eu disse é que é preciso transformar essa questão do aborto numa questão de saúde pública”, afirmou na época.

Post Anterior

Polícia Federal abre investigação para apurar se houve interferência em operação que prendeu Milton Ribeiro

Próximo Post

Brasil continua líder do ranking da Fifa; Argentina ultrapassa França

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.