0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 29/05/2020 16:19

Os juros do cheque especial caíram de 130,5% para 119,3% ao ano de março a abril. No mesmo período, as taxas cobradas no rotativo do cartão de crédito diminuíram de 327,1% para 313,4% ao ano.

Os dados foram divulgados nessa quinta-feira, 28, pelo Banco Central. De acordo com o Banco Central, as taxas de juros cobradas na economia caíram 1,2 ponto percentual em abril na comparação com março: saiu de 22,7% para 21,5% ao ano.

Desse patamar, o percentual é 31,3% para operações de crédito com recursos livres –aqueles negociados no livre mercado. Caiu 2 ponto percentual frente a março.

Os financiamentos subsidiados, chamados de direcionados, ficou estável 7,3%.

Os juros do cheque especial caíram de 130,5% para 119,3% ao ano de março a abril. No mesmo período, as taxas cobradas no rotativo do cartão de crédito diminuíram de 327,1% para 313,4% ao ano.

De acordo com o Banco Central, as taxas de juros cobradas na economia caíram 1,2 ponto percentual em abril na comparação com março: saiu de 22,7% para 21,5% ao ano.

Desse patamar, o percentual é 31,3% para operações de crédito com recursos livres –aqueles negociados no livre mercado. Caiu 2 ponto percentual frente a março.

Os financiamentos subsidiados, chamados de direcionados, ficou estável 7,3%.

Modalidade                                    mar.20              abr.20

aquisição de veículos                          19,8                20,40

cartão de crédito                               327,1              313,40

cheque especial                                 130,5               119,30

crédito pessoal consignado               21,0                   20,10

crédito pessoal não consignado       94,7                    86,4

parcelado                                             197,1                  148,6

O spread bancário com recursos livres também caiu no período, saindo de 27,6 para 26,2 pontos percentuais.

Segundo o BC, o nível de inadimplência com recursos livres subiu 0,2 ponto percentual de março a abril, chegando a 4%.

MERCADO DE CRÉDITO

O saldo das operações de crédito atingiram R$ 3,59 trilhões em abril deste ano. Nível estável em comparação ao mês anterior. Houve queda de 0,5% no volume de recursos livres, que passou de R$2,11 trilhões para R$ 2,100 trilhões.

Já os financiamentos direcionados, que são aqueles que têm juros subsidiados, tiveram alta de 0,8% em abril: saindo de R$ 1,48 trilhão para R$ 1,49 trilhão.

Os dados do Banco Central mostram ainda que há expansão do saldo de operações de crédito para pessoas jurídicas: subiu 1,2% no mês. De março a abril, passou de R$ 1,54 trilhão para R$ 1,56 trilhão.

Houve queda de 0,9% às pessoas jurídicas: de R$ 2,05 trilhões para R$ 2,03 trilhões. Fonte: Banco Central do Brasil

Post Anterior

Confira a programação do último dia da Agrotins 2020 100% Digital

Próximo Post

Pandemia e as nossas finanças pessoais