0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 31/10/2019 17:33

Na próxima quarta-feira, 6 de novembro, a jornalista Caira Lima realizará um coquetel para lançar seu primeiro livro: “A Dor Mais Doída – relatos de violência obstétrica”. A autora, nascida no Pará e morando no Tocantins há quase 5 anos, é formada em Jornalismo pela Universidade Federal do Tocantins há menos de um ano e escreveu o livro-reportagem como produto final do Trabalho de Conclusão de Curso.

A violência obstétrica, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), caracteriza-se como “abuso de medicalização e patologização dos processos naturais do trabalho de parto, que causem a perda de autonomia e da capacidade das mulheres de decidir livremente sobre seus corpos e sua sexualidade” e atinge uma em cada quatro mulheres brasileiras. No livro, Caira traz relatos de mulheres que foram vítimas dessa violência em diferentes épocas e revela os efeitos que esses episódios tiveram sob a vida delas.

Jornalista Caira Lima. Foto: Divulgação.

A jornalista mostra de forma sensível e empática como transformar o parto, que já tem sua dor natural, em algo pesado e doloroso acarreta em consequências negativas pelo resto da vida de quem sofre. “Eu sempre quis fazer algo que ajudasse de alguma forma mulheres em situação de vulnerabilidade. Quando eu escolhi esse tema, eu me aprofundei, estudei, e compartilhei das dores daquelas mulheres. É um assunto que envolve todo mundo. Toda a sociedade precisa entender, porque só assim a violência obstétrica será erradicada”, diz a autora.

Além de conversar com as vítimas, Caira também contou com entrevistas de profissionais da área da saúde. O livro será lançado no dia 6 de novembro, às 19h, na Livraria Leitura do Capim Dourado Shopping, em Palmas.

Post Anterior

Corpo do irmão do prefeito de Porto Nacional será enterrado nesta quinta

Próximo Post

Somente 30% fizeram o recadastramento: prazo para manter descontos na conta de energia rural é prorrogado; confira