0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 07/05/2022 17:49

O governo italiano ordenou na sexta-feira (6) que a polícia apreendesse um iate de luxo no valor de cerca de US$ 700 milhões que foi ligado pela mídia ao presidente russo, Vladimir Putin.

O elegante Scheherazade, de seis andares, estava passando por reparos no porto italiano de Marina di Carrara desde setembro, mas a atividade recente no cais sugeria que a tripulação poderia estar se preparando para voltar ao mar.

Uma fonte com conhecimento direto de uma investigação de semanas sobre o navio disse que a polícia acredita que o proprietário seja Eduard Khudainatov, ex-chefe da gigante russa de energia Rosneft, que atualmente não é alvo de sanções da União Europeia.

Em um comunicado anunciando a ordem de apreensão, o Ministério das Finanças não nomeou o proprietário, dizendo apenas que ele tinha ligações com “elementos proeminentes do governo russo”.

O ministério disse que o próprio proprietário não estava em nenhuma lista de sanções elaborada por Bruxelas após a invasão russa da Ucrânia. No entanto, disse que Roma pediu a Bruxelas que corrigisse isso e ordenou que o barco fosse apreendido até uma decisão.

A polícia embarcou no iate na sexta-feira para executar a ordem, disse o governo italiano.

Em um discurso ao parlamento italiano em março, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pediu ao governo para apreender o iate como parte de um esforço em toda a Europa para pressionar Putin e seus associados a interromper o ataque à Ucrânia.

A Itália apreendeu imóveis e iates no valor de mais de 900 milhões de euros em março e abril de russos ricos, que vinham regularmente ao país de férias e compravam propriedades em muitos locais de prestígio.

No entanto, a polícia disse à Reuters que lutou para identificar o verdadeiro proprietário do Scheherazade, que está registrado nas Ilhas Cayman e foi construído pela empresa alemã Luerssen.

Entregue ao seu proprietário misterioso em 2020, o iate tem dois heliportos e pode acomodar até 18 convidados e 40 tripulantes. Uma organização criada pelo preso Alexei Navalny, um crítico feroz de Putin, divulgou um relatório em março dizendo ter evidências de que o barco pertencia a Putin.

Ele disse que muitos de seus tripulantes foram recrutados do Serviço Federal de Proteção da Rússia (FSO), que tem a tarefa de proteger o presidente russo.

O Kremlin não respondeu na época a um pedido de comentário sobre se Putin era o proprietário ou se os membros do FSO eram membros da tripulação.

Itália apreendeu imóveis e iates no valor de mais de 900 milhões de euros em março e abril de russos ricos

Post Anterior

Vaca brasileira se torna recordista mundial de produção de leite

Próximo Post

EDUARDO BOLSONARO PROVOCA EX-ALIADO, QUE RESPONDE: “ME PROCESSA, ROLA MIÚDA”