0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 13/06/2022 19:28

Pesadelo do governo principalmente na seara dos combustíveis, o processo inflacionário brasileiro tem promovido um golpe na vitrine social do presidente Jair Bolsonaro para as eleições deste ano: o Auxílio Brasil. Na sua implementação, o benefício dobrou a capacidade das famílias na aquisição da cesta básica, mas esse poder de compra vem caindo rapidamente e já se equipara aos níveis do Bolsa Família no final do primeiro governo Dilma Rousseff (PT), mostram cálculos obtidos pelo Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. O fenômeno ameaça um dos pilares da estratégia adotada pelo chefe do Executivo para enfrentar nas urnas o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O Auxílio Brasil substituiu o Bolsa Família criado pelo PT e, em dezembro do ano passado, teve o piso elevado para R$ 400 e o público ampliado para 18 milhões de famílias.

Antes, o valor médio era de R$ 191, para 13,6 milhões de famílias. Ao ser criado, o programa foi visto como uma “boia de salvação” para os planos eleitorais do presidente e comemorado por aliados, sentimento que ainda resiste nos bastidores do Palácio do Planalto.

O novo valor mínimo do benefício será tema de peças de marketing do pré-candidato à reeleição ao longo da campanha. “Hoje são 18 milhões de pessoas no Brasil que recebem o Auxílio Brasil, que substituiu o Bolsa Família. Até o ano passado era em média R$ 190”, dirá Bolsonaro em vídeo a ser exibido na televisão ao longo de junho. Em seguida, o presidente perguntará a uma mulher se ela passou a receber os R$ 400 do benefício. “Multiplicou por 5”, destacará.

Com números à mesa, no entanto, se vê que o processo inflacionário amenizou a “multiplicação” bradada por Bolsonaro. Segundo cálculos do economista-sênior da LCA Consultores, Bráulio Borges, o Auxílio Brasil foi bem-sucedido em um primeiro momento, dobrando o poder de compra dos beneficiários na aquisição da cesta básica, que carrega insumos essenciais, mas essa capacidade vem sendo corroída rapidamente e tende a continuar, segundo as perspectivas para a inflação de alimentos.

Em dezembro, primeiro mês do novo benefício, o valor médio recebido pelas famílias representava 57,9% do custo da cesta básica em São Paulo (R$ 690,51) – um salto sobre o Bolsa Família, que comprava logo antes 27,7% desse conjunto de produtos, considerando os números do Dieese.

Desde janeiro, porém, tal poder de compra tem caído rapidamente e alcançou, em abril, 50,1% do valor da cesta (R$ 803,99). O porcentual é similar ao período às vésperas da reeleição da ex-presidente Dilma Roussef, em 2014 (51,1%).

“O aumento do benefício praticamente retomou o poder de compra do Bolsa Família que havia sido corroído de 2015 a 2021, sem reajuste automático. Ainda é alto comparado com os anos anteriores, sem o auxílio emergencial, mas vem sendo corroído rapidamente”, destacou Borges. “Se o presidente pensou no aumento do benefício como um grande impulsionador nas eleições, pode dar com os burros n’água. Até porque a mudança ocorreu no fim do ano passado e não provocou mudança significativa no índice de desaprovação do governo”, completou.

Borges opta por medir o poder de compra do programa em cestas básicas, porque a política é voltada à extrema pobreza e índices de inflação tradicionais, como o IPCA e o INPC, acabam não refletindo os padrões de consumo desse público. “São pessoas que passam fome mesmo.”

Para Felipe Nunes, cientista político e diretor da Quaest, a inflação é a responsável pelo fato de o Auxílio Brasil ter tido efeito limitado nas mais recentes pesquisas de intenção de voto. “As pessoas de baixíssima renda não conseguiram ver o efeito positivo do aumento de seu poder de compra em função do Auxílio Brasil”, afirma. De acordo com pesquisa Genial/Quast, 51% dos eleitores que recebem o Auxílio avaliam negativamente o governo federal.

Contraponto

Deflacionando o valor médio do benefício por família pelo IPCA até abril, o economista Rodolfo Margato, da XP Investimentos, calcula redução de R$ 426,40 em dezembro para R$ 409,80 em abril. Mas pondera que o poder de compra é ainda um dos maiores desde a criação do Bolsa Família, em 2004. Essa avaliação desconsidera o período do “coronavoucher”, em que o valor médio do benefício social chegou ao pico de R$ 1.288.

Em outubro, o valor médio da política atual deve valer R$ 396,50, com base nas projeções da XP para o IPCA – alta de 34,3% ante outubro de 2021, mas queda de 7% frente a dezembro.

O IPCA subiu 1,06% em abril, acumulando alta de 12,13% em 12 meses. O índice de maio (0,47%) foi divulgado na manhã da quinta-feira, 9, com desaceleração a 11,73% em 12 meses. No Boletim Focus do Banco Central, o mercado financeiro aponta inflação oficial em 2022 de 8,89%, sem considerar o pacote de combustíveis discutido atualmente no Congresso.

Post Anterior

Exportadores de carne brasileira miram no mercado da Coreia do Sul

Próximo Post

Lula vai se reunir com governadores do Consórcio Nordeste em Natal

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.