0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 05/07/2022 17:39

taxa anual de inflação dos países que integram a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) acelerou para 9,6% em maio, atingindo o maior patamar desde agosto de 1988, segundo comunicado divulgado pela organização nesta terça-feira (5). Em abril, a taxa havia sido de 9,2%.

Com esse resultado, o Brasil se mantém entre os países com as taxas de inflação mais altas. O índice oficial de inflação de maio perdeu ritmo, mas subiu 0,47%, o que equivale a um aumento de 4,78% neste ano e de 11,73% no acumulado dos últimos 12 meses, primeira queda na base de comparação em um ano.

O aumento do preço de matérias-primas, principalmente do petróleo, por causa da guerra entre Rússia e Ucrânia, tem pressionado os preços no mundo. Além disso, o mercado global já estava desorganizado por causa da pandemia de Covid-19. Esses fatores, somados a questões locais, fizeram com que várias nações registrassem grande variação dos preços.

Apenas os preços de energia da OCDE deram um salto anual de 35,4% em maio, após um avanço de 32,9% em abril.

Desconsiderando-se os preços de alimentos e energia, que são bastante voláteis, o índice de preços ao consumidor da OCDE subiu 6,4% em maio ante igual mês do ano passado.

No G7, grupo que reúne as sete maiores economias do mundo, a taxa anual da inflação acelerou de 7,1%, em abril, para 7,5%, em maio, informou a OCDE.
Veja as 10 maiores taxa de inflação do mundo
Turquia           73,5%
Argentina        60,7%
Rússia              17,1%
Brasil                11,7%
Reino Unido      9,1%
Zona do Euro     8,8%
G 20                      8,8%
Alemanha             8,7%
Estados Unidos   8,6%
México                   7,7%
Post Anterior

Congresso deve derrubar vetos e setor cultural pode ter incremento de R$ 7 bi

Próximo Post

Pílula antirressaca promete reduzir efeitos do álcool por até 12 horas