0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 28/11/2019 17:02

Um homem foi preso na última quarta-feira, 27, em Porto Nacional, em cumprimento a mandado de prisão preventiva pelo crime de estupro, tipificado no art. 213 do Código Penal. A ação faz parte da operação nacional denominada “Marias” que busca dar cumprimento a mandados de prisão e busca e apreensão vinculados à Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher e Vulneráveis (DEAM-V).

A operação continua durante os próximos dias não só com o cumprimento de medidas cautelares, mas também na fiscalização do cumprimento de medidas protetivas e empoderamento das mulheres que são vítimas de agressões a denunciar às autoridades. Após diligências, os policiais localizaram o foragido no setor São Vicente, em Porto Nacional. Ele foi encaminhado à Casa de Prisão Provisória de Porto Nacional. 

Operação Nacional “Marias”

A Operação é resultado do I Fórum Permanente de Enfretamento à Violência Contra a Mulher – CONCPC, realizado no final do mês de outubro em Brasília (DF). Durante o fórum ficou definida a realização da operação, quando os Estados realizariam uma força-tarefa para dar cumprimento a mandados judiciais, verificar medidas protetivas de urgência e denúncias referentes a crimes de violência doméstica e familiar contra mulheres.

Em entrevista coletiva na última quarta-feira, 27, a delegada-geral da Polícia Civil, Raimunda Bezerra, destacou a ação como forma de reduzir os índices de feminicídios e de prevenção à violência contra a mulher no Tocantins. “A grande maioria das mulheres que denunciaram e tiveram medidas protetivas expedidas não morreu. A denúncia ainda é o melhor caminho, precisamos ajudar que as mulheres cada vez mais tenham coragem para sair da situação de violência. Requeiram medidas de proteção de urgência. Essas ações são efetivas para salvaguardar a vida das mulheres”, ressaltou a delegada-geral.

A coordenadora da Operação Marias no Tocantins, delegada titular da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), Ana Carolina Marinho Braga, enfatizou que a operação seguirá nos próximos 10 dias. Segundo ela, os policiais continuarão em busca do cumprimento de todos os mandados judiciais. “Estamos com ações repreensivas e preventivas cumprido os mandados expedidos, as fiscalizações das medidas protetivas de urgência e verificação das denúncias. E se necessário iremos estender até que todos os mandados sejam cumpridos”. 

Estão mobilizados mais de 100 policiais civis das 12 Delegacias da Mulher do Estado. As prisões são motivadas por crimes como violência sexual, estupro de vulnerável, ameaça, descumprimento de medida protetiva e posse irregular de arma de fogo. As ações estão acontecendo em Palmas e nos municípios que compõem as regionais de Araguatins, Araguaína, Colinas do Tocantins, Guaraí, Paraíso do Tocantins, Porto Nacional, Gurupi e Dianópolis. O nome da operação “faz referência, homenagem, à Maria da Penha que é o ícone da violência doméstica”.

Post Anterior

IBGE aponta aumento na expectativa de vida do brasileiro

Próximo Post

Prazo de rematrícula, na rede municipal de Palmas, termina nesta sexta, 29

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *