0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 15/09/2020 15:02

A Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, reconheceu nesta segunda-feira, 14, a situação de emergência em Mato Grosso do Sul devido ao agravamento dos incêndios florestais que atingem o Pantanal no estado.

O fogo já destruiu cerca de 1,4 milhão de hectares de vegetação no Mato Grosso do Sul em 2020, sendo o Pantanal o principal bioma ameaçado, segundo dados do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo). A situação fez com que o próprio governo estadual decretasse situação de emergência ambiental no estado, também nesta segunda-feira.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Regional, o reconhecimento da emergência pelo governo federal dá ao governo de Mato Grosso do Sul possibilidade de acesso a recursos da União para ações de socorro, assistência, restabelecimento de serviços essenciais à população e recuperação de infraestruturas públicas danificadas. A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. O valor do repasse não foi anunciado.

Foto: Divulgação.

Conforme o ministério, a definição da verba a ser liberada depende da elaboração de planos de trabalho, nos quais os órgãos que atuam no combate a incêndios estipulam os meios necessários para continuar a operação de combate aos incêndios.

Também nesta segunda-feira, a Polícia Federal disse suspeitar que o incêndio que destruiu mais de 25 mil hectares de áreas de preservação ambiental no Pantanal de Mato Grosso do Sul não foi acidental e que o fogo possivelmente foi utilizado para remover a vegetação natural visando tornar a área em pastagem para gado.

A declaração foi feita em meio a uma operação deflagrada para apurar a responsabilidade criminal pelas queimadas na região. Batizada de Matáá, a ação contou com 31 policiais federais, que auxiliaram no cumprimento de dez mandados de busca e apreensão nas cidades de Corumbá e Campo Grande.

O Pantanal enfrenta os maiores incêndios já registrados na região. Números divulgados no último fim de semana pelas autoridades locais afirmam que o fogo destruiu 2,34 milhões de hectares ao longo do ano, ou 15% da área do bioma, situado no sul de Mato Grosso, no noroeste de Mato Grosso do Sul, no norte do Paraguai e no leste da Bolívia.

Mais de 14 mil focos de incêndios foram detectados pelos bombeiros de janeiro a setembro deste ano, mais do que o triplo do mesmo período do ano passado, segundo dados do Inpe. O Pantanal vive uma situação incomum por causa da seca e sem as cheias provocadas pelos transbordamentos de rios, que são comuns nessa época do ano.

Post Anterior

BRK Ambiental é notificada pelo Procon Tocantins por desabastecimento de água em 13 bairros de Colinas

Próximo Post

Brasil realiza a maior eleição informatizada do mundo

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *