0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 13/07/2021 14:26

Na busca por parcerias para a implantação de um projeto piloto de produção de orgânicos seguindo padrões de economicidade e sustentabilidade, o secretário da Agricultura, Pecuária e Aquicultura Jaime Café se reuniu no final da tarde desta segunda-feira, 12, com o diretor da Nippon Koei no Brasil, Roberto Kurokawa. Empresa de consultoria japonesa e que desenvolve projetos no Brasil há muitos anos, a Nippon Koei realiza consultoria em várias áreas e já é parceira do Governo do Tocantins.
 
“Nosso objetivo é fortalecer a agricultura familiar no Tocantins, com ênfase na produção de orgânicos em uma possível parceria com empresas japonesas e visando o mercado consumidor japonês”, destacou Jaime Café detalhando como alternativa viável a produção orgânica via agricultura familiar e indígenas em pareceria com empresas que podem financiar os agricultores.
 
Ele destacou ainda que a proposta é iniciar a produção de orgânicos em aldeias indígenas, na região de Tocantínia e Formoso e, posteriormente, expandi-lo para outras regiões. “Vamos fomentar o desenvolvimento sustentável no Tocantins. Mesmo com desafio da mudança no sistema de produção, a atividade de produzir orgânicos se tornou uma grande oportunidade de geração de renda com sustentabilidade ambiental que não interfere e nem concorre com as atividades tradicionais e tem mercado consumidor garantido”, concluiu ele.
 
Produção orgânica

O sistema de produção orgânica não utiliza fertilizantes sintéticos, agrotóxicos, reguladores de crescimento ou aditivos sintéticos. O manejo na agricultura orgânica valoriza o uso eficiente dos recursos naturais não renováveis, bem como o aproveitamento dos recursos naturais renováveis e dos processos biológicos alinhados à biodiversidade, ao meio ambiente, ao desenvolvimento econômico e à qualidade de vida humana.

Post Anterior

Brasil está próximo de enfrentar um apagão ainda em 2021, mostra estimativa

Próximo Post

Consumidores devem pagar R$ 13,1 bilhões por uso de energia de térmicas neste ano

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *