0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 07/02/2020 15:25

Foi descoberta no setor Canto Grande, em Luzimangues, distrito de Porto Nacional, uma fábrica clandestina de queijos. O local foi fechado pela Polícia Militar na última quinta-feira, 06. 

Segundo a Polícia Militar, o local tinha infraestrutura precária para a produção de queijos. O armazenamento dos produtos era próximo ao chiqueiro de porcos.

A PM foi informada por uma denúncia anônima de que no local havia grande movimentação de caminhões descarregando materiais. A fábrica clandestina de queijos foi flagrada com instalações inapropriadas e sem higiene, onde os produtos eram embalados e registrados com etiquetas do estado de Goiás.

A única pessoa encontrada no local foi um caseiro que informou que cuida somente dos porcos e galinhas. Ele disse ainda que, tem contato com uma pessoa de Palmas e que não conhece o dono da propriedade, só sabe que reside no estado do Pará.

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), a Perícia e a Adapec foram acionados e estiveram no local para as devidas notificações e recolhimentos dos produtos. Os caminhões que estavam com as chaves na ignição e os queijos foram recolhidos e entregues na Delegacia de Polícia, onde o caseiro também se apresentou para os devidos procedimentos legais.

Adapec

Segundo a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), foram apreendidos cerca de mil quilos de queijos clandestinos. O proprietário foi multado em R$ 5 mil reais e os produtos serão destruídos no aterro sanitário de Palmas.

De acordo com o diretor de Defesa, Inspeção e Sanidade Animal da Adapec, Márcio Rezende, a Agência recebeu uma denúncia anônima sobre o funcionamento clandestino desta fábrica. “Ao tomarmos conhecimento da denúncia acionamos os órgãos de seguranças e fomos até o local, onde constatamos que ali não tinha as mínimas condições de higiene para funcionamento de um laticínio, bem como não possuía nenhuma legalidade perante os órgãos de inspeção oficial,” disse Márcio.

O responsável pelo Programa Estadual de Leites e Derivados, Antônio José de Souza Caminha, contou que o local onde funcionava o laticínio ficava ao lado de um chiqueiro de porcos com fezes destes animais em contato direto com o ambiente onde os queijos eram processados. Relatou ainda que além das péssimas condições higiênicas, o proprietário estava falsificando selos de inspeção de outra empresa, sem atender as exigências legais, conforme prevê a legislação.

A Adapec emitiu auto de infração, multa e termos de fiscalização, notificação, apreensão, interdição e destruição dos produtos. A Polícia Militar Ambiental também emitiu realizou auto de infração. A Adapec conta um disque denúncia onde qualquer cidadão pode denunciar a produção e comercialização de produtos de origem animal clandestinos. O número do Disque Defesa é 0800-631122. 

Post Anterior

Obras da escola de tempo integral em Araguaína entram na fase de acabamento

Próximo Post

Certame: prefeitura de Miracema nomeia comissão organizadora do concurso público

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *