Home»Comunidade»Exoneração de delegado que investigava escândalo do lixo em Araguaína, repercute: saiba mais

Exoneração de delegado que investigava escândalo do lixo em Araguaína, repercute: saiba mais

Atualizada em: 17/11/2018 09:25

0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

O Diário Oficial do Estado(DOE/TO) trouxe na edição noturna desta sexta-feira, 16, a exoneração de várias funções comissionadas da Secretaria de Segurança Pública do Tocantins, entre estas as de 11 delegados regionais. Tão logo a notícia da exoneração chegou ao conhecimento público, mesmo antes da disponibilização do DOE em sua versão digital, a repercussão foi imediata.

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Tocantins (Sindepol/TO) reagiu criticando duramente a exoneração, em especial do delegado Bruno Boaventura, responsável pela regional de Araguaína (TO). Ele estava no cargo desde junho de 2017, “tendo prestado um excelente serviço à população de Araguaína e demais cidades que compõe a regional”. (Veja nota completa abaixo)

Para o Sindepol, a chegada de Bruno Boaventura e de outros 12 delegados em meados de 2017, somando forças aos que lá já estavam, “revolucionou a segurança pública da região”. Além do combate à violência com prisões de traficantes, homicidas, ladrões de banco,  “a Polícia Civil passou a atuar de forma mais incisiva no combate à corrupção”.

Na nota enviada à imprensa, o Sindepol relaciona a exoneração do delegado à investigações recentes envolvendo familiares do deputado estadual Olyntho Neto (PSBD): apreensão de mala com R$ 500 mil em espécie, em outubro, com o irmão dele; e cumprimento de mandado de busca e apreensão em imóveis que pertencem ao pai do político, o advogado e ex-juiz eleitoral, João Olinto Garcia de Oliveira.

Também por meio de nota, os Delegados de Polícia da 1ª Delegacia-Regional de Polícia, repudiaram o ato de exoneração, que apontaram sem “fundamentação” e  “camuflado numa dispensa coletiva e sorrateira que deixou todas as regionais de polícia sem responsáveis, resta clara a perseguição política empregada por este governo na tentativa de politização da Polícia Civil”.

Os delegados destacaram que “a exoneração do Dr. Bruno representa o retorno a tempos sombrios da história do Tocantins, quando “coronéis” mandavam e desmandavam através de ações políticas arbitrárias, sendo que admitir tais práticas seria ir à contramão do país, que vive um momento ímpar em sua história, vide o intenso combate à corrupção, com operações importantes como a Lava-Jato e outras”.

Em apoio ao delegado afastado, 21 delegados assinaram compromisso de não assumir o cargo que antes era ocupado por Bruno Boaventura.

Na mesma edição do DOE desta sexta, outras 149 servidores, com funções gratificadas, foram dispensados da mesma Secretaria de Segurança Pública. O governo do Estado ainda não se manifestou sobre as exonerações.

Nota de repúdio – Sindepol

 

Post Anterior

Sábado dia de celebração para o empresário Castro

Próximo Post

Ministro das Cidades participará de entrega de apartamentos do Minha Casa Minha Vida em Palmas nesta segunda

3 Comentários

  1. […] Mendes Oliveira, e outros integrantes de cargos estratégicos para deixar a pasta, no que seria uma ‘revoada geral’ em protesto contra as recentes exonerações de 11 delegados regionais publicadas na última sexta-feira, […]

  2. […] As nomeações dos novos titulares ocorreram um dia  depois de ser instaurado inquérito policial contra o Deputado Olyntho Neto(PSDB), cuja família é investigada no que já ganhou nome de “Escândalo do Lixo Hospitalar”. O Sindepol pleiteava o retorno dos titulares das regionais exonerados em 16 de novembro. […]