0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 04/08/2020 17:06

Diretor-assistente da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Jarbas Barbosa afirmou nesta terça, 4, que as medidas adotadas até agora na América Latina “não conseguiram controlar” a transmissão da covid-19. Durante entrevista coletiva virtual da entidade, Barbosa, disse que a Opas acredita que o pico da transmissão da doença nas Américas possa ocorrer em agosto, com países trabalhando para conter o quadro.

Barbosa explicou que a Opas usa modelos a partir dos casos de outros países, para fazer essas projeções. “Claro que esperamos que agosto seja o pico, então os países atingirão o controle da transmissão. Mas só podemos ter certeza disso depois”, comentou. Nesse quadro, ele disse que a entidade encoraja os países a adotar todas as medidas e revisar como, por exemplo, o distanciamento social pode ser mais efetivo, para proteger mais famílias, além de medidas para apoiar os que têm trabalhos informais.

Durante a coletiva, o diretor-assistente da Opas comentou o fato de que o padrão de transmissão da doença na América Latina tem se mostrado distinto da Europa. Em alguns países europeus, como Itália e Alemanha, houve picos fortes da doença, com cerca de quatro ou seis semanas, seguidos de tendência de queda nos casos, o que configurou uma primeira onda da doença de modo mais claro. “Na América Latina, as medidas adotadas foram eficientes para reduzir a transmissão, mas não alcançaram até agora a efetividade na maioria dos países para controlar a transmissão, reduzir a curva até haver somente casos isolados.”

Com isso, alguns países latino-americanos apresentam uma “curva alongada”. Ele disse que isso representa um movimento ocorrido no interior dos países. “Em algumas áreas a transmissão está forte, em outros, controlada”, detalhou. De qualquer modo, Barbosa afirmou que em toda a América Latina “a tendência ainda é de uma transmissão muito importante”, por isso a necessidade de se manter medidas como o uso de máscaras, o distanciamento social e outras para controlar o quadro.

Também presente na coletiva virtual, a diretora da Opas, Carissa Ettiene, afirmou que o vírus continua a se disseminar “rapidamente” em vários países da região, mas há também pressão crescente para reabrir a economia. “O vírus da covid não irá embora em breve”, advertiu ela, apontando que é preciso se ajustar à realidade, com medidas para controlar o vírus e calibragem das ações de modo a garantir a proteção à saúde ao lado da retomada da atividade.

Tendência de aumento no Brasil

A diretora da Opas, Carissa Etienne, destacou o fato de haver uma tendência “crescente” de avanço do novo coronavírus no Brasil. A declaração foi dada no início de entrevista coletiva da entidade sobre a doença na região. “Há uma tendência geral crescente na região dos Andes e no Brasil”, comentou, ao falar sobre o cenário de transmissão da doença pelas Américas.

Etienne citou também o fato de que o Chile “teve um pico em maio e junho”, mas lembrou que o quadro no país melhorou, desde então.

 

Post Anterior

Senadora Kátia Abreu diz que algumas peças da reforma administrativa estão bem adiantadas

Próximo Post

Começa mais uma etapa de entrega de cestas para cerca de 4 mil famílias