0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 07/12/2018 10:43

A delegada Ana Maria Varjal, da 1ª Delegacia da Polícia Civil de Araguaína, comanda nesta quinta-feira, 6, a Operação Catarse, que investiga suposto prejuízo aos cofres públicos, contra uma empresária da cidade, a 380 km de Palmas. Kátia Borba Neves Pimenta, proprietária do Hotel Relicário, é suspeita de ser “servidora fantasma” do Governo do Estado.

São cumpridos mandados de busca e apreensão no hotel e na residência da empresária. Kátia Borba também deve ser ouvido pela delegada Ana Maria. 

Kátia é farmacêutica e servidora concursada do Estado desde 1994. Já foi lotada no Hospital de Doenças Tropicais(HDT), mas em maio de 2016 foi cedida à Secretaria de Governo e Articulação Política, conforme portaria. 

Dois anos e três meses depois, em agosto passado, entrou de licença para tratar de interesses particulares, sem remuneração, segundo consta no Diário Oficial do Estado. O último contracheque da servidora, disponível no Portal da Transparência, informa que a remuneração da empresária e farmacêutica é de R$10.471,49.


O Portal Orla Notícias acompanha o caso e aguarda manifestação da servidora concursada. Também já foi solicitada resposta sobre o período em que ela esteve cedida à Secretaria de Governo. 

Post Anterior

Decoração de Natal em Palmas já atrai turistas de dentro e de fora do estado

Próximo Post

Encontro de Travestis e Transexuais discute segurança e saúde: 96% afirmam ter sofrido ataque físico

Sem comentários

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *