0
Compartilhamentos
Pinterest Google+

⟳ Atualizada em: 15/03/2022 19:43

 O ministro da Economia, Paulo Guedes, cometeu uma gafe nesta terça-feira (15) ao dizer que o Brasil está pronto para uma “Segunda Guerra Mundial”, conflito que ocorreu entre 1939 e 1945.

Momentos mais tarde, ele procurou repórteres para se explicar e aproveitou para também corrigir uma declaração feita na semana passada sobre iPhones no Brasil.

Em evento no Palácio do Planalto voltado ao agronegócio, Guedes disse que o Brasil está com déficit fiscal zerado e, por isso, “pronto para outra briga”.

“Se vier a segunda guerra mundial, estamos prontos de novo. Vamos expandir de novo, porque estamos com déficit zerado.”

Após a solenidade, ele se explicou para os repórteres, afirmando que usou o termo no sentido figurado.

“Não estou falando de segunda guerra mundial. Deu uma guerra, que foi essa pandemia, guerra sanitária mundial. Agora tem uma segunda, Ucrânia, Rússia… Isso subiu preço de combustíveis, fertilizantes, isso nos atinge”, disse o ministro.

“Quis dizer: se houver essa guerra do petróleo, essa guerra dos grãos, vamos estar preparados para reagir.”

Ele aproveitou para dizer que se equivocou ao afirmar, na semana passada, que há mais iPhones no Brasi do que brasileiros.

O ministro disse que queria se referir ao número geral de dispositivos móveis, mas tratou todos os aparelhos como do mesmo modelo.

“Eu quis falar o seguinte: cada brasileiro tem dois dispositivos digitais, dois celulares, pode ter até dois celulares, e saiu iPhone, sem querer.”

A declaração anterior sobre os iPhones foi dada na última sexta-feira (11), quando o ministro disse que a pandemia foi responsável por lançar mais rapidamente o Brasil em direção a um futuro tecnológico.

“Nosso presidente já era digital e somos o quarto maior mercado digital do mundo. Tem mais iPhones no Brasil do que população. Os brasileiros têm um, dois iPhones, às vezes.”

No site da Apple para o Brasil, o modelo mais econômico que pode ser comprado novo é o iPhone SE, a partir de R$ 4.199. Já o mais caro é o iPhone 13 Pro Max, disponível a consumidores a partir de R$ 10.142.

Post Anterior

Bolsonaro cobra da Petrobras redução do preço dos combustíveis

Próximo Post

PL chega a 63 parlamentares e atinge a maior bancada da Câmara